sicnot

Perfil

Panama Papers

David Cameron faz mea culpa e promete revelar todos os registos fiscais

David Cameron faz mea culpa e promete revelar todos os registos fiscais

David Cameron disse esta manhã que vai revelar publicamente todos os seus registos fiscais para esclarecer a polémica em que se viu envolvido da investigação Panamá Papers. Num discurso no fórum do partido conservador britânico do qual é líder, o primeiro ministro reconhece que conduziu mal o processo dos registos fiscais da família nomeadamente no que diz respeito ao pagamento de impostos.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, alvo de inúmeros pedidos de demissão, admitiu hoje que deveria ter gerido melhor o caso dos "Papéis do Panamá", ao evocar a sociedade "offshore" liderada pelo seu próprio pai.

Em Londres, apesar dos encorajamentos de Edward Snowden no Twitter, os que defendem a demissão de Cameron estão, porém, a ter dificuldades em mobilizar mais pessoas nesse sentido, havendo mesmo poucas vozes na oposição trabalhista que os apoiam.

Defronte do "número 10 de Downing Street, sede do governo britânico, várias centenas de manifestantes exigiram hoje de manhã a demissão do primeiro-ministro britânico, alguns empunhando cartazes com frases como "Cameron deve partir" e outros trajando panamás (chapéus).

Pouco depois, dirigiram-se para uma unidade hoteleira de Londres a pouco mais de dois quilómetros da sede do Governo britânico, onde Cameron discursava perante os delegados do Partido Conservador, reunido em congresso para preparar as eleições locais de maio próximo.

"Tem sido uma semana em grande", começou por dizer Cameron, passando de imediato para uma referência à revelação de que o pai, Ian Camerpon, que faleceu em 2010, dirigiu um fundo de investimentos nas Bahamas do qual, como admitiu tardiamente, tirou benefícios.

"Nada de ilegal", insistiu David Cameron.

"Sei que deveria ter gerido melhor o caso e não culpem os meus conselheiros. O erro é meu e aprendi a lição", acrescentou, renovando a promessa de publicar, "em breve", as declarações de impostos dos últimos anos, o que, a acontecer, será inédito com um primeiro-ministro do Reino Unido.

O líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, que afirmou sexta-feira à noite que o primeiro-ministro "perdeu a confiança dos britânicos", comentou já que as declarações de Cameron, considerando que a 'mea culpa' vem "tarde demais".

Neste quadro, na reunião dos conservadores de hoje, Cameron, que se bate por convencer os britânicos a votar pela manutenção do Reino Unido na União Europeia (UE), apenas fez uma ligeira alusão ao referendo de 23 de junho.

Sexta-feira, uma sondagem oficial demonstrou que a popularidade de Cameron caiu para o valor mais baixo desde julho de 2013, com 58% de opiniões desfavoráveis.

Como pano de fundo da contestação da oposição, está também a demissão do primeiro-ministro islandês, Sigmund Gunnlaugsson, anunciada há três dias, que os britânicos querem ver replicada no Reino Unido.

Com Lusa

  • "O grupo Espírito Santo estava assente numa rede de centenas de sociedades offshore"
    5:52

    Panama Papers

    A base de dados utilizada na investigação Panama Papers revela "claramente" que "o grupo Espírito Santo estava assente numa rede de centenas de sociedades offshore", de acordo com o diretor do jornal Expresso. Na noite em que são divulgados os primeiros nomes dos portugueses envolvidos no escândalo, Pedro Santos Guerreiro explicou a complexidade da base de dados que tem cerca de 11 milhões de documentos. Adiantou ainda que contactou todos os envolvidos antes de divulgar os nomes. Manuel Vilarinho, ex-presidente do Benfica, confessou já estar à espera da chamada.

  • Os portugueses na lista do Panama Papers
    1:25

    Panama Papers

    São os primeiros nomes de uma lista de 240 portugueses que surgem na investigação Panama Papers. O Expresso revela hoje que Luís Portela, Ilidio Pinho e Manuel Vilarinho estão na lista com ligações a offshore revelada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas que está a investigar o caso. O antigo presidente do Benfica diz que já esperava que o seu nome aparecesse, mas recusa qualquer ilegalidade.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.