sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Partido Pirata da Islândia com 43% das intenções de voto

O Partido Pirata da Islândia, fundado em 2012 como movimento de protesto, está atualmente em posição de vir a entrar no governo, com os eleitores, cansados do sistema político e financeiro, a atribuírem-lhe 43% das intenções de voto.

Birgitta Jonsdottir fundou o partido em 2012

Birgitta Jonsdottir fundou o partido em 2012

reuters

Nas eleições legislativas de 2013, o Partido Pirata obteve 5,1% dos votos e elegeu três deputados, tornando-se o primeiro partido pirata do mundo a ter representação parlamentar.

A subida nas sondagens ocorre depois de o escândalo dos chamados "Panama Papers" ter revelado contas em paraísos discais de vários empresários e políticos islandeses, incluindo o primeiro-ministro Sigmundur David Gunnlaugsson, que se demitiu na terça-feira.

Como outros partidos piratas, o Partido Pirata da Islândia defende uma reforma do direito de autor, maior liberdade de partilha de ficheiros na internet, a defesa das liberdades cívicas e mais transparência na política.

"Não podemos prever se [o apoio dos eleitores] vai continuar assim ou não, mas vemos que as pessoas gostam do nosso estilo, da nossa abordagem", disse à agência France Presse Asta Gudrun Helgadottir, uma das deputadas do partido no parlamento.

Birgitta Jonsdottir, 48 anos, ativista do portal Wikileaks e poetisa, fundou o partido em 2012, depois da dissolução do Movimento Cidadão, outro pequeno partido defensor da democracia direta pelo qual tinha sido eleita para o parlamento em 2009.

A ideia "pegou logo", `segundo a professora de Ciência Política da Universidade de Reiquejavique Stefania Oskarsdottir.

Depois da eleição de três deputados, o partido continuou a surpreender os observadores políticos, conseguindo muito mais apoio político que outros chamados partidos de protesto criados após a grave crise financeira de 2008.

Para os seus militantes, a razão é o que os diferencia dos partidos tradicionais.

"Noutros partidos, quando és jovem e te queres envolver na política, começas por ouvir os discursos dos líderes e aplaudir. Aqui não é assim. Toda a gente participa, toda a gente pode apresentar propostas e elas são debatidas", disse Karl Hedinn, um militante de 21 anos.

O partido tem uma estrutura horizontal, em que a única hierarquia é a existência de uma comissão executiva, constituída por sete membros, sete suplentes e uma presidência rotativa.

"Esta estrutura é a força mas também a fraqueza do Partido Pirata", considerou a professora de Ciência Política. "Têm de ter pessoas competentes para funcionar, caso contrário é complicado. Em política tem de se ser bastante organizado para que no dia das eleições os eleitores votem mesmo", acrescentou.

Para a especialista, o voto no Partido Pirata é uma excelente forma de marcar uma posição, mas com o evoluir da campanha os eleitores vão querer mais, como o tipo de alianças políticas que o partido pode vir a fazer, num país onde nenhum país obteve uma maioria parlamentar desde a independência, em 1944.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.