sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Partido Pirata da Islândia com 43% das intenções de voto

O Partido Pirata da Islândia, fundado em 2012 como movimento de protesto, está atualmente em posição de vir a entrar no governo, com os eleitores, cansados do sistema político e financeiro, a atribuírem-lhe 43% das intenções de voto.

Birgitta Jonsdottir fundou o partido em 2012

Birgitta Jonsdottir fundou o partido em 2012

reuters

Nas eleições legislativas de 2013, o Partido Pirata obteve 5,1% dos votos e elegeu três deputados, tornando-se o primeiro partido pirata do mundo a ter representação parlamentar.

A subida nas sondagens ocorre depois de o escândalo dos chamados "Panama Papers" ter revelado contas em paraísos discais de vários empresários e políticos islandeses, incluindo o primeiro-ministro Sigmundur David Gunnlaugsson, que se demitiu na terça-feira.

Como outros partidos piratas, o Partido Pirata da Islândia defende uma reforma do direito de autor, maior liberdade de partilha de ficheiros na internet, a defesa das liberdades cívicas e mais transparência na política.

"Não podemos prever se [o apoio dos eleitores] vai continuar assim ou não, mas vemos que as pessoas gostam do nosso estilo, da nossa abordagem", disse à agência France Presse Asta Gudrun Helgadottir, uma das deputadas do partido no parlamento.

Birgitta Jonsdottir, 48 anos, ativista do portal Wikileaks e poetisa, fundou o partido em 2012, depois da dissolução do Movimento Cidadão, outro pequeno partido defensor da democracia direta pelo qual tinha sido eleita para o parlamento em 2009.

A ideia "pegou logo", `segundo a professora de Ciência Política da Universidade de Reiquejavique Stefania Oskarsdottir.

Depois da eleição de três deputados, o partido continuou a surpreender os observadores políticos, conseguindo muito mais apoio político que outros chamados partidos de protesto criados após a grave crise financeira de 2008.

Para os seus militantes, a razão é o que os diferencia dos partidos tradicionais.

"Noutros partidos, quando és jovem e te queres envolver na política, começas por ouvir os discursos dos líderes e aplaudir. Aqui não é assim. Toda a gente participa, toda a gente pode apresentar propostas e elas são debatidas", disse Karl Hedinn, um militante de 21 anos.

O partido tem uma estrutura horizontal, em que a única hierarquia é a existência de uma comissão executiva, constituída por sete membros, sete suplentes e uma presidência rotativa.

"Esta estrutura é a força mas também a fraqueza do Partido Pirata", considerou a professora de Ciência Política. "Têm de ter pessoas competentes para funcionar, caso contrário é complicado. Em política tem de se ser bastante organizado para que no dia das eleições os eleitores votem mesmo", acrescentou.

Para a especialista, o voto no Partido Pirata é uma excelente forma de marcar uma posição, mas com o evoluir da campanha os eleitores vão querer mais, como o tipo de alianças políticas que o partido pode vir a fazer, num país onde nenhum país obteve uma maioria parlamentar desde a independência, em 1944.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.