sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Vários agentes de serviços secretos usaram gabinete de Mossack Fonseca

Agentes dos serviços de informações de vários países, entre os quais intermediários da CIA norte-americana, recorreram aos serviços do gabinete de advogados panamiano Mossack Fonseca, no coração do escândalo designado "Panama Papers".

A informação é adiantada na edição de hoje do diário alemão Suddeutsche Zeitung: "Agentes secretos utilizaram em grande medida os serviços do gabinete" panamiano, escreve o diário de Munique.

Segundo o Suddeutsche, "agentes secretos abriram sociedades-ecran para dissimular as suas ações (...). Entre estes estavam também intermediários próximos da CIA", um dos serviços de informações dos EUA.

Entre a "clientela" de Mossack Fonseca estão "alguns atores" das vendas secretas de armas ao Irão nos anos 1980, o designado "Irão-Contra", um escândalo sobre as vendas secretas de armas dos EUA a Teerão.

Os Panama Papers mostram também que "atuais ou antigos responsáveis de alto nível dos serviços secretos de pelo menos três países (...) Arábia Saudita, Colômbia e Ruanda" estão entre os clientes do gabinete, adianta o título.

Entre estes estava o xeque Kamal Adham, antigo dirigente dos serviços de informações sauditas, falecido em 1999, que "passava por ser nos anos 1970 um dos principais interlocutores da CIA no Médio Oriente", afirma o diário alemão.

A maior investigação jornalística da história, divulgada na noite há uma semana, envolve o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa), com sede em Washington, e destaca os nomes de 140 políticos de todo o mundo, entre eles 12 antigos e atuais líderes mundiais.

A investigação resulta de uma fuga de informação e juntou cerca de 11,5 milhões de documentos ligados a quase quatro décadas de atividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património, com informações sobre mais de 214 mil empresas "offshore" em mais de 200 países e territórios.

A partir dos Panama Papers, a investigação refere que milhares de empresas foram criadas em "offshores" e paraísos fiscais para centenas de pessoas administrarem o seu património, entre eles rei da Arábia Saudita, elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón.

O semanário Expresso e o canal de televisão TVI estão a participar nesta investigação em Portugal.

Lusa

  • Inspecionado servidor da Mossack Fonseca por suspeita de pirataria

    Panama Papers

    As autoridades do Panamá regressaram à sede da Mossack Fonseca, desta vez para inspecionar o servidor da empresa. É a resposta do Ministério Público às acusações agora feitas por parte da própria Mossack Fonseca, que está no centro da polémica dos "Panama Papers" e que denunciou que a sua base de dados foi alvo de pirataria.

  • O escândalo dos Panama Papers pelo mundo
    2:14

    Panama Papers

    No Reino Unido, o primeiro-ministro britânico nega qualquer ilegalidade. David Cameron garante que pagou os impostos devidos pelas ações no fundo offshore do pai, referenciado no escândalo "Panama Papers". O primeiro-ministro recebeu 430 mil euros da herança do pai, mas diz que não conhece a origem do dinheiro. Na Argentina, manifestantes pediram demissão do presidente. Mauricio Macri diz que não cometeu qualquer ilegalidade. Na Rússia, Putin afirma que amigo gastou dinheiro com doação de instrumentos à Rússia. No Panamá, empresa Mossack Fonseca fala no roubo de ficheiros a partir de uma servidor estrangeiro.

  • Hoje joga Portugal (mas antes há um Uruguai-Rússia em direto na SIC)

    Mundial 2018 / O Mundial

    Começa a última jornada da fase de grupos do Mundial, com quatro jogos por dia. Às 15:00, numa partida transmitida em direto na SIC, a anfitriã Rússia e o Uruguai resolvem qual poderá ser o adversário de Portugal nos oitavos de final. Isto, dependendo claro da prestação da seleção nacional frente ao Irão, ao fim da tarde, uma vez que a qualificação não está garantida (e pode até depender do resultado do Espanha-Marrocos).

  • "É a primeira vez que vai ser testado o programa do Nuno Crato"
    0:57

    País

    Os alunos do 11º e 12º anos de escolaridade fazem hoje o exame de matemática, uma das provas mais importantes no acesso à universidade e para a conclusão do ensino obrigatório. No final do secundário, são quase 50 mil os alunos que hoje fazem a prova que acarreta algumas alterações instituídas ainda pelo ex-ministro Nuno Crato, como explicou à SIC Notícias o diretor do Liceu Camões, em Lisboa.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes