sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Buscas na Mossack Fonseca terminam sem provas "contundentes"

As autoridades panamianas finalizaram esta quarta-feira as buscas aos escritórios da empresa Mossack Fonseca sem terem encontrado provas "contundentes" de delitos relacionados com o escândalo do chamado Panama Papers .

© Carlos Jasso / Reuters

"Não temos elementos contundentes que nos permitam tomar qualquer tipo de decisão (...). A maioria dos arquivos da empresa são virtuais, quase não têm arquivos físicos", explicou o procurador Javier Caraballo aos jornalistas.

Caraballo descartou medidas cautelares ou a apreensão de bens após a diligência, que teve início na terça-feira, focada na recolha de informação para ser analisada pelo Ministério Público.

Segundo revelou, foi recolhida informação em mais de 100 servidores da empresa, especializada na gestão de patrimónios.

"Estamos a falar de uma quantidade significativa de informação que precisa de ser analisada para se poder chegar a algum tipo de conclusão", indicou.

A 03 de abril, quando foi divulgada a base de dados da Mossack Fonseca, o Ministério Público do Panamá anunciou uma investigação para apurar se a empresa praticou delitos para ajudar personalidades de todo o mundo a gerir património à margem da lei e do fisco de vários países, como informaram os meios de comunicação social.

As buscas nos escritórios da empresa só foram feitas nove dias depois, o que foi criticado por diferentes setores.

Caraballo afirmou na quarta-feira que "as diligências deste tipo requerem um planeamento de modo a serem eficazes".

O Panama Papers é a maior investigação jornalística da história, envolvem o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa), com sede em Washington, e destacam os nomes de 140 políticos de todo o mundo, entre eles 12 antigos e atuais líderes mundiais.

A investigação resulta de uma fuga de informação e juntou cerca de 11,5 milhões de documentos ligados a quase quatro décadas de atividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património, com informações sobre mais de 214 mil empresas 'offshore' em mais de 200 países e territórios.

A partir do Panama Papers, a investigação refere que milhares de empresas foram criadas em 'offshores' e paraísos fiscais para centenas de pessoas administrarem o seu património, entre eles rei da Arábia Saudita, elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón.

Com Lusa

  • Encontrado corpo de mariscador desaparecido no Barreiro

    País

    O corpo do homem com cerca de 50 anos apareceu esta manhã junto ao Clube Naval do Barreiro, na mesma zona onde tinha desaparecido na noite deste sábado. A informação já foi confirmada à SIC pela Polícia Marítima, que adiantou que o corpo já foi levado para a morgue. O alerta foi dado por volta das 22:30 de ontem pelos companheiros de nacionalidade chinesa que estavam com a vítima na apanha de bivalves na margem sul do Tejo.

  • Mais de duas mil pessoas retiradas do fogo junto ao parque Doñana, no Sul de Espanha

    Mundo

    O incêndio florestal começou ainda na noite deste sábado na aldeia de Las Peñuelas de Moguer, na província de Huelva e obrigou à evacuação de várias localidades e à retirada de mais de duas mil pessoas, de vários alojamentos turísticos (incluindo o Parador de Mazagon, dois parques de campismo e um hotel). Foi ainda ativado o plano de emergência da província.

  • Portugal "precisa avançar no trabalho" para reduzir crédito malparado
    1:36

    Economia

    Bruxelas recomenda e insiste que o Governo português avance no trabalho para resolver o crédito malparado. Em entrevista à SIC e ao Expresso, o vice-Presidente da Comissão para o Euro e Estabilidade Financeira, Valdis Dombrovskis, adianta que Bruxelas está também a preparar um Plano de Ação ao nível europeu.

    Entrevista SIC/Expresso

  • Líder do Daesh abatido durante fuga

    Daesh

    Um líder do Daesh e o assistente foram abatidos pela polícia iraquiana, em Mossul. A notícia é avançada pela agência EFE que esclarece que os dois homens terão sido mortos enquanto fugiam do Oeste para Este da cidade iraquiana através do rio Tigre.