sicnot

Perfil

Panama Papers

Offshore do Espírito Santo no Panama Papers com ligações ao caso Sócrates

Offshore do Espírito Santo no Panama Papers com ligações ao caso Sócrates

A investigação "Panana Papers" mostra o envolvimento de uma offshore do Grupo Espírito Santo com a Operação Marquês. Helder Bataglia, o empresário luso-angolano arguido no processo, admite ao Expresso que o dinheiro que transferiu para pagar comissões teve origem numa offshore do grupo então liderado por Ricardo Salgado. O Ministério Público acredita que pelo menos 12 milhões de euros pertencerão a José Sócrates. A defesa do ex-primeiro-ministro nega.

Helder Bataglia, o homem que desde 93 liderou os negócios GES em Angola e no Congo, através de várias empresas com ligações à ESCOM, uma offshore com origem nas ilhas britânicas, admite agora que parte do dinheiro que tranferiu entre 2008 e 2009 para pagar comissões e outras despesas não documentadas teve origem na Espírito Santo Enterprises no Panamá, uma offshore do grupo liderado por Ricardo Salgado e que alegadamente terá sido usada durante vários anos para ocultar dinheiro e património às autoridades fiscais.

A Espírito Santo Enterprises terá sido um saco azul por onde terão passado pelo menos 300 milhões de euros de pagamentos a destinatários não identificados, segundo os documentos revelados no escândalo "Panama Papers".

A tese do Ministério Público centra-se no resort de Vale do Lobo, do qual Bataglia é acionista. A investigação acredita que os 12 milhões de euros que o empresário luso-angolano terá feito chegar a contas na Suíça de Joaquim Barroca, dono do grupo Lena, e que depois terão sido transferidos em várias tranches para o empresário Carlos Santos Silva, amigo de longa data de Sócrates, pertencerão ao ex-primeiro ministro.

Em entrevista ao Expresso, Helder Bataglia garante no entanto que o dinheiro nada tem que ver com Joaquim Barroca nem com ele próprio, mas assume que saiu da offshore do Espírito Santo.

Os documentos agora conhecidos mostram que as transferências investigadas no âmbito da Operação Marquês têm origem no grupo liderado por Ricardo Salgado.

À SIC, o advogado de José Socrates diz que o ex-primeiro-ministro não tem qualquer ligação com este caso. Pedro Delille diz não haver qualquer justificação para esta investigação.

  • Defesa de Sócrates e Salgado "estão a tentar mudar de assunto"
    9:30

    Panama Papers

    O diretor do Expresso garante que o jornal contactou os assessores jurídicos de Ricardo Salgado, a propósito da manchete deste sábado, que liga a Operação Marquês a uma offshore do Grupo Espírito Santo. Pedro Santos Guerreiro explica os contornos do caso, que envolve a investigação dos "Panama Papers" e sublinha a importância da declaração de Hélder Bataglia, que admitiu ao Expresso que foram pagas comissões com dinheiro, proveniente de uma offshore do GES.

  • Dinheiro do caso Sócrates veio do saco azul dos GES

    Panama Papers

    Nas malhas da investigação dos milhões descobertos pelo Panama Papers encontra-se a Operação Marquês. O dinheiro do caso que envolve José Sócrates no esquema de corrupção, fraude fiscal e branquamento de capitais vem do GES. Esta é a manchete deste sábado do jornal Expresso. Transferências feitas a partir da Espírito Santo Enterprises de offshores podem ser a explicação que faltava ao Ministério Público para concluir o inquérito crime contra José Sócrates e avançar com uma eventual acusação.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59