sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Autoridade financeira de Nova Iorque intima bancos mencionados nos "Panama Papers"

O regulador dos serviços financeiros de Nova Iorque dirigiu uma intimação aos bancos Société Générale, Credit Suisse, Deutsche Bank e a 10 outros mencionados no escândalo dos "Panama Papers", disse hoje à AFP uma fonte conhecedora do assunto.

O regulador (NYDFS, na sigla em Inglês), que infligiu uma multa recorde, de quase 9 mil milhões de dólares (8 mil milhões de euros), ao BNP Paribas por violação de embargos impostos pelos EUA, ordenou a estes estabelecimentos financeiros que lhe fornecessem todos os documentos e todas as comunicações com o gabinete de advogados Mossack Fonseca, no centro do escândalo, acrescentou a mesma fonte, que requereu o anonimato.

Os 13 bancos têm ainda de comunicar todas as transações efetuadas com este gabinete, prosseguiu a fonte, confirmando informações avançadas pela agência Bloomberg News.

O NYDFS, que é dirigido desde janeiro por Maria Vullo, depois da saída em junho de Benjamin Lawsky, deu o prazo de 29 de abril para os bancos lhe responderem.

Na carta dirigida a cada banco não é imputada qualquer má prática, ainda segundo a fonte.

As discussões ainda estão em estádio preliminar, mas poderiam conduzir à abertura de um inquérito, se Vullo e os seus serviços concluírem que algumas transações são litigiosas.

Contactado pela AFP, o NYDFS escusou-se a qualquer comentário, tal como os bancos Société Générale, Deutsche Bank e Credit Suisse. Commerzbank, o segundo mais banco alemão também visado, não respondeu.

Além destes quatro grandes bancos europeus, a lista inclui vários estabelecimentos escandinavos, como Svenska Handelsbanken, Nordea Bank Finland e Skandinaviska Enskilda Banken.

O banco holandês ABN Amro e o israelita Bank Leumi, bem como o Deutsche Bank Trust, também foram intimados pelo NYDFS.

O inquérito do NYDFS coincide com a abertura pelo procurador federal de Nova Iorque, Preet Bharara, um dos mais temidos por Wall Street, de um inquérito penal.

A divulgação dos documentos causou uma onda de choque mundial, conduziu à abertura de numerosos inquéritos no mundo e provocou a demissão do primeiro-ministro da Islândia e de um ministro do governo de Mariano Rajoy.

Com Lusa

  • Ministro espanhol suspeito de ocultar empresa offshore demite-se

    Panama Papers

    O ministro da Indústria, José Manuel Soria, apresentou hoje a demissão. O governante terá comprometido o chefe de Governo Mariana Rajoy, que saiu em sua defesa quando na passada segunda-feira o seu nome surgiu associado ao escândalo Panama Papers. Apesar da confiança manifestada por Rajoy e por outros companheiros do PP, a informação de que Soria faria parte de uma sociedade criada no paraíso fiscal nas Ilhas Jersey acabou por deixar os dirigentes do partido sem capacidade de reação e numa posição muito incómoda.

  • Três comendadores agraciados por Cavaco Silva envolvidos no Panama Papers
    1:17

    Panama Papers

    Entre os portugueses referenciados nos "Panama Papers", há pelo menos três comendadores agraciados pelo antigo Presidente da República Cavaco Silva: um advogado, o dono da empresa Gelpeixe e o empresário Hélder Bataglia. O dono da Gelpeixe diz que não ganhou nada com as empresas offshore que intermediaram a compra de casas para amigos. A Edição do Expresso de amanhã traz mais novidades sobre o envolvimento de portugueses no caso.

  • Dinheiro do caso Sócrates veio do saco azul dos GES

    Panama Papers

    Nas malhas da investigação dos milhões descobertos pelo Panama Papers encontra-se a Operação Marquês. O dinheiro do caso que envolve José Sócrates no esquema de corrupção, fraude fiscal e branquamento de capitais vem do GES. Esta é a manchete deste sábado do jornal Expresso. Transferências feitas a partir da Espírito Santo Enterprises de offshores podem ser a explicação que faltava ao Ministério Público para concluir o inquérito crime contra José Sócrates e avançar com uma eventual acusação.

  • Offshore do Espírito Santo no Panama Papers com ligações ao caso Sócrates
    1:59

    Panama Papers

    A investigação "Panana Papers" mostra o envolvimento de uma offshore do Grupo Espírito Santo com a Operação Marquês. Helder Bataglia, o empresário luso-angolano arguido no processo, admite ao Expresso que o dinheiro que transferiu para pagar comissões teve origem numa offshore do grupo então liderado por Ricardo Salgado. O Ministério Público acredita que pelo menos 12 milhões de euros pertencerão a José Sócrates. A defesa do ex-primeiro-ministro nega.

  • Defesa de Sócrates e Salgado "estão a tentar mudar de assunto"
    9:30

    Panama Papers

    O diretor do Expresso garante que o jornal contactou os assessores jurídicos de Ricardo Salgado, a propósito da manchete deste sábado, que liga a Operação Marquês a uma offshore do Grupo Espírito Santo. Pedro Santos Guerreiro explica os contornos do caso, que envolve a investigação dos "Panama Papers" e sublinha a importância da declaração de Hélder Bataglia, que admitiu ao Expresso que foram pagas comissões com dinheiro, proveniente de uma offshore do GES.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.