sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Autoridade financeira de Nova Iorque intima bancos mencionados nos "Panama Papers"

O regulador dos serviços financeiros de Nova Iorque dirigiu uma intimação aos bancos Société Générale, Credit Suisse, Deutsche Bank e a 10 outros mencionados no escândalo dos "Panama Papers", disse hoje à AFP uma fonte conhecedora do assunto.

O regulador (NYDFS, na sigla em Inglês), que infligiu uma multa recorde, de quase 9 mil milhões de dólares (8 mil milhões de euros), ao BNP Paribas por violação de embargos impostos pelos EUA, ordenou a estes estabelecimentos financeiros que lhe fornecessem todos os documentos e todas as comunicações com o gabinete de advogados Mossack Fonseca, no centro do escândalo, acrescentou a mesma fonte, que requereu o anonimato.

Os 13 bancos têm ainda de comunicar todas as transações efetuadas com este gabinete, prosseguiu a fonte, confirmando informações avançadas pela agência Bloomberg News.

O NYDFS, que é dirigido desde janeiro por Maria Vullo, depois da saída em junho de Benjamin Lawsky, deu o prazo de 29 de abril para os bancos lhe responderem.

Na carta dirigida a cada banco não é imputada qualquer má prática, ainda segundo a fonte.

As discussões ainda estão em estádio preliminar, mas poderiam conduzir à abertura de um inquérito, se Vullo e os seus serviços concluírem que algumas transações são litigiosas.

Contactado pela AFP, o NYDFS escusou-se a qualquer comentário, tal como os bancos Société Générale, Deutsche Bank e Credit Suisse. Commerzbank, o segundo mais banco alemão também visado, não respondeu.

Além destes quatro grandes bancos europeus, a lista inclui vários estabelecimentos escandinavos, como Svenska Handelsbanken, Nordea Bank Finland e Skandinaviska Enskilda Banken.

O banco holandês ABN Amro e o israelita Bank Leumi, bem como o Deutsche Bank Trust, também foram intimados pelo NYDFS.

O inquérito do NYDFS coincide com a abertura pelo procurador federal de Nova Iorque, Preet Bharara, um dos mais temidos por Wall Street, de um inquérito penal.

A divulgação dos documentos causou uma onda de choque mundial, conduziu à abertura de numerosos inquéritos no mundo e provocou a demissão do primeiro-ministro da Islândia e de um ministro do governo de Mariano Rajoy.

Com Lusa

  • Ministro espanhol suspeito de ocultar empresa offshore demite-se

    Panama Papers

    O ministro da Indústria, José Manuel Soria, apresentou hoje a demissão. O governante terá comprometido o chefe de Governo Mariana Rajoy, que saiu em sua defesa quando na passada segunda-feira o seu nome surgiu associado ao escândalo Panama Papers. Apesar da confiança manifestada por Rajoy e por outros companheiros do PP, a informação de que Soria faria parte de uma sociedade criada no paraíso fiscal nas Ilhas Jersey acabou por deixar os dirigentes do partido sem capacidade de reação e numa posição muito incómoda.

  • Três comendadores agraciados por Cavaco Silva envolvidos no Panama Papers
    1:17

    Panama Papers

    Entre os portugueses referenciados nos "Panama Papers", há pelo menos três comendadores agraciados pelo antigo Presidente da República Cavaco Silva: um advogado, o dono da empresa Gelpeixe e o empresário Hélder Bataglia. O dono da Gelpeixe diz que não ganhou nada com as empresas offshore que intermediaram a compra de casas para amigos. A Edição do Expresso de amanhã traz mais novidades sobre o envolvimento de portugueses no caso.

  • Dinheiro do caso Sócrates veio do saco azul dos GES

    Panama Papers

    Nas malhas da investigação dos milhões descobertos pelo Panama Papers encontra-se a Operação Marquês. O dinheiro do caso que envolve José Sócrates no esquema de corrupção, fraude fiscal e branquamento de capitais vem do GES. Esta é a manchete deste sábado do jornal Expresso. Transferências feitas a partir da Espírito Santo Enterprises de offshores podem ser a explicação que faltava ao Ministério Público para concluir o inquérito crime contra José Sócrates e avançar com uma eventual acusação.

  • Offshore do Espírito Santo no Panama Papers com ligações ao caso Sócrates
    1:59

    Panama Papers

    A investigação "Panana Papers" mostra o envolvimento de uma offshore do Grupo Espírito Santo com a Operação Marquês. Helder Bataglia, o empresário luso-angolano arguido no processo, admite ao Expresso que o dinheiro que transferiu para pagar comissões teve origem numa offshore do grupo então liderado por Ricardo Salgado. O Ministério Público acredita que pelo menos 12 milhões de euros pertencerão a José Sócrates. A defesa do ex-primeiro-ministro nega.

  • Defesa de Sócrates e Salgado "estão a tentar mudar de assunto"
    9:30

    Panama Papers

    O diretor do Expresso garante que o jornal contactou os assessores jurídicos de Ricardo Salgado, a propósito da manchete deste sábado, que liga a Operação Marquês a uma offshore do Grupo Espírito Santo. Pedro Santos Guerreiro explica os contornos do caso, que envolve a investigação dos "Panama Papers" e sublinha a importância da declaração de Hélder Bataglia, que admitiu ao Expresso que foram pagas comissões com dinheiro, proveniente de uma offshore do GES.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.