sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Consórcio Internacional de Jornalistas vai divulgar informações sobre 200 mil empresas

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) referiu hoje que, a 09 de maio, vai divulgar a "maior quantidade informação de sempre" sobre empresas e os seus proprietários em offshore no âmbito dos "Papéis do Panamá".

"O banco de dados vai incluir informações sobre mais de 200.000 empresas, fundos, fundos incorporados e fundações em 21 paraísos fiscais desde Hong Kong até ao Nevada, nos Estados Unidos", refere, na sua página na Internet, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação.

A divulgação daquela informação é, segundo o ICIJ, o "próximo passo da investigação que dura há um ano e ainda está em curso" no Panama Papers.

O escândalo do Panama Papers revelou um vasto sistema de evasão fiscal que tem suscitado uma onde choque mundial e causou a abertura de várias investigações e a demissão do primeiro-ministro da Islândia.

A investigação está a ser feita por uma centena de jornais em todo o mundo a 11,5 milhões de documentos, que revelaram bens em paraísos fiscais de 140 responsáveis políticos ou personalidades públicas.

O conjunto de documentos provém da empresa de advogados panamiana Mossack Fonseca.

Segundo o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, que reuniu para este trabalho 370 jornalistas de mais de 70 países, mais de 214.000 entidades offshore estão envolvidas em operações financeiras em mais de 200 países e territórios em todo o mundo.

Com Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.