sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers estão no centro de confronto entre potências

O escândalo dos "Papéis do Panamá" está no centro de um confronto entre as grandes potências que utilizam o sistema financeiro panamiano, disse hoje o presidente daquele país, Juan Carlos Varela.

"Trata-se do sistema financeiro global, não do Panamá", disse o chefe de Estado, durante um evento público.

Para Juan Carlos Varela, o incorreto é que as "grandes potências querem competir e usam o Panamá como campo de batalha".

"Se querem lutar, que o façam no seu próprio país, mas que não usem o nosso sistema financeiro", acrescentou.

Juan Carlos Varela falava no dia em que os documentos "Papéis do Panamá" foram divulgados na página na Internet do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação.

O consórcio divulgou hoje a base de dados dos "Papéis do Panamá", onde os usuários podem procurar os nomes de cerca de 214 mil empresas, fundações e fundos, incluídos na investigação.

Ao todo, são mais de 11,5 milhões de documentos do escritório Mossack Fonsca, especializado na gestão de capital em paraísos fiscais e que afeta mais de 140 políticos e altos funcionários do mundo, incluindo chefes ou ex-chefes de Estado e de Governo e os seus familiares.

Em meados de abril, as grandes potências industrializadas (G20) pediram "medidas coercivas" contra os paraísos fiscais, que se recusem a cooperar com a comunidade internacional.

A publicação dos documentos ocorreu numa altura particularmente sensível para o Panamá, por causa da prisão esta semana na Colômbia do empresártio Nidal Waked, membro de uma das famílias mais ricas do país, que os Estados Unidos acusam de branquear dinheiro da droga.

Na segunda-feira, o presidente do Panamá reafirmou o compromisso do seu país para reformar o sistema financeiro e trocar informações fiscais, mas bilateralmente e não multilateralmente como exigido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.

  • Quem está ao lado de Trump? Melania ou uma sósia?

    Mundo

    A especulação surgiu no Twitter: estaria Trump acompanhado de uma sósia de Melania para ocultar a ausência da mulher num evento oficial? A teoria da conspiração ganhou depois força nas redes sociais. Julgue por si mesmo.

    SIC

  • Norte-americano entrega-se após perder aposta com a polícia no Facebook

    Mundo

    Um jovem de 21 anos procurado pela polícia norte-americana entregou-se, esta segunda-feira, depois de perder uma aposta com a polícia, no Facebook. Michael Zaydel prometeu entregar-se se uma publicação sobre o seu desaparecimento chegasse às mil partilhas, na rede social. O jovem norte-americano prometeu ainda levar uma dúzia de donuts, caso os agentes da cidade de Redford conseguissem ganhar a aposta.

    SIC