sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers estão no centro de confronto entre potências

O escândalo dos "Papéis do Panamá" está no centro de um confronto entre as grandes potências que utilizam o sistema financeiro panamiano, disse hoje o presidente daquele país, Juan Carlos Varela.

"Trata-se do sistema financeiro global, não do Panamá", disse o chefe de Estado, durante um evento público.

Para Juan Carlos Varela, o incorreto é que as "grandes potências querem competir e usam o Panamá como campo de batalha".

"Se querem lutar, que o façam no seu próprio país, mas que não usem o nosso sistema financeiro", acrescentou.

Juan Carlos Varela falava no dia em que os documentos "Papéis do Panamá" foram divulgados na página na Internet do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação.

O consórcio divulgou hoje a base de dados dos "Papéis do Panamá", onde os usuários podem procurar os nomes de cerca de 214 mil empresas, fundações e fundos, incluídos na investigação.

Ao todo, são mais de 11,5 milhões de documentos do escritório Mossack Fonsca, especializado na gestão de capital em paraísos fiscais e que afeta mais de 140 políticos e altos funcionários do mundo, incluindo chefes ou ex-chefes de Estado e de Governo e os seus familiares.

Em meados de abril, as grandes potências industrializadas (G20) pediram "medidas coercivas" contra os paraísos fiscais, que se recusem a cooperar com a comunidade internacional.

A publicação dos documentos ocorreu numa altura particularmente sensível para o Panamá, por causa da prisão esta semana na Colômbia do empresártio Nidal Waked, membro de uma das famílias mais ricas do país, que os Estados Unidos acusam de branquear dinheiro da droga.

Na segunda-feira, o presidente do Panamá reafirmou o compromisso do seu país para reformar o sistema financeiro e trocar informações fiscais, mas bilateralmente e não multilateralmente como exigido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.