sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Governo espanhol defende nomeação de ex-ministro implicado nos Panama Papers

O Governo espanhol defendeu esta segunda-feira a nomeação do ex-ministro da Indústria implicado no escândalo dos Panama Papers como diretor executivo do Banco Mundial, enquanto toda a oposição e alguns membros do PP criticaram a escolha feita.

O chefe do Governo em Funções, Mariano Rajoy, defendeu esta segunda-feira que José Manuel Soria se demitiu quando o seu nome e membros da sua família apareceu associado a empresas offshore listadas nos Panama Papers em Abril, e que nessa altura "saiu da política, deixou de ser deputado e manifestou a sua intenção de não voltar à política nunca mais".

O chefe de Governo em funções sublinhou que Soria se tem comportado como um funcionário e não como um político, em declarações feitas na China, à margem da Cimeira do G20.

Outros membros do Governo também apoiaram a nomeação do ex-ministro, como o chefe da diplomacia, José Manuel García-Margallo, que afirmou que um técnico comercial do Estado pode optar por esse posto e isso não deve ser problemático, ou o ministro da Educação, Íñigo Méndez de Vigo, que assegurou que o Governo não teve nada a ver com a nomeação.

Por outro lado, vários dirigentes do PP criticaram a decisão, assim como toda a oposição espanhola.

A presidente da Comunidade de Madrid, Cristina Cifuentes, foi uma dos responsáveis do PP que não teve dúvidas ao afirmar que a nomeação "não devia ter sido feita", e que seja por razões técnicas ou não, o responsável pela decisão vai ter de explicar a escolha.

O secretário-geral do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), Pedro Sánchez, voltou a insistir numa mudança de Governo porque "quatro anos mais com Rajoy só irão trazer mais casos Soria".

Toda a oposição, o que inclui o Ciudadanos (centro-direita) que apoiou a investidura derrotada de Mariano Rajoy na semana passada, pediu a ida, para dar explicações, ao Congresso dos Deputados (parlamento) do ministro de Economia, Luís de Guindos.

Os Panama Papers, mais de 11 milhões de documentos da sociedade de advogados Mossack Fonseca foram divulgados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação e revelam a utilização de paraísos fiscais que escondem os rendimentos de pessoas e empresas de todo mundo.

Lusa

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.