sicnot

Perfil

Panama Papers

Panama Papers

Panama Papers

Governo espanhol defende nomeação de ex-ministro implicado nos Panama Papers

O Governo espanhol defendeu esta segunda-feira a nomeação do ex-ministro da Indústria implicado no escândalo dos Panama Papers como diretor executivo do Banco Mundial, enquanto toda a oposição e alguns membros do PP criticaram a escolha feita.

O chefe do Governo em Funções, Mariano Rajoy, defendeu esta segunda-feira que José Manuel Soria se demitiu quando o seu nome e membros da sua família apareceu associado a empresas offshore listadas nos Panama Papers em Abril, e que nessa altura "saiu da política, deixou de ser deputado e manifestou a sua intenção de não voltar à política nunca mais".

O chefe de Governo em funções sublinhou que Soria se tem comportado como um funcionário e não como um político, em declarações feitas na China, à margem da Cimeira do G20.

Outros membros do Governo também apoiaram a nomeação do ex-ministro, como o chefe da diplomacia, José Manuel García-Margallo, que afirmou que um técnico comercial do Estado pode optar por esse posto e isso não deve ser problemático, ou o ministro da Educação, Íñigo Méndez de Vigo, que assegurou que o Governo não teve nada a ver com a nomeação.

Por outro lado, vários dirigentes do PP criticaram a decisão, assim como toda a oposição espanhola.

A presidente da Comunidade de Madrid, Cristina Cifuentes, foi uma dos responsáveis do PP que não teve dúvidas ao afirmar que a nomeação "não devia ter sido feita", e que seja por razões técnicas ou não, o responsável pela decisão vai ter de explicar a escolha.

O secretário-geral do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), Pedro Sánchez, voltou a insistir numa mudança de Governo porque "quatro anos mais com Rajoy só irão trazer mais casos Soria".

Toda a oposição, o que inclui o Ciudadanos (centro-direita) que apoiou a investidura derrotada de Mariano Rajoy na semana passada, pediu a ida, para dar explicações, ao Congresso dos Deputados (parlamento) do ministro de Economia, Luís de Guindos.

Os Panama Papers, mais de 11 milhões de documentos da sociedade de advogados Mossack Fonseca foram divulgados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação e revelam a utilização de paraísos fiscais que escondem os rendimentos de pessoas e empresas de todo mundo.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.