sicnot

Perfil

Papa Francisco em Fátima

Canonização dos pastorinhos confirmada para 13 de maio

LUSA

O Papa Francisco vai canonizar os dois pastorinhos Jacinta e Francisco durante a sua visita a Fátima, a 13 de maio. A decisão foi comunicada esta manhã pelo próprio Papa aos cardeais, reunidos no Vaticano. Esta era a última decisão que faltava desde que o milagre que permite a canonização foi aprovado pelo Papa, em março. A canonização ocorre no ano em que se assinala o centenário das aparições.

O anúncio do Papa teve lugar no Consistório em que foram fixadas as datas para a cerimónia de canonização de 37 futuros santos, entre eles Jacinta e Francisco.


A canonização de Francisco e Jacinta, beatificados pelo papa João Paulo II, em Fátima, a 13 de Maio de 2000, estava dependente do reconhecimento de um milagre, a cura de uma criança brasileira, em 2013, o que aconteceu a 23 de março.


No dia em que se soube da notícia da aprovação por Jorge Bergoglio do milagre atribuído a Jacinta e Francisco, o cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, confessou-se "muito feliz" com a notícia.

Sinos tocaram em Fátima após anúncio de canonização a 13 de maio

Os sinos do santuário de Fátima tocaram a repique cerca das 09:40, minutos depois de o papa Francisco ter anunciado ao consistório, em Roma, a canonização de Jacinta e Francisco, a 13 de maio, na Cova da Iria.


Fonte do santuário disse à agência Lusa que os sinos tocaram "mal se soube da notícia". O reitor do santuário, padre Carlos Cabecinhas, vai anunciar a notícia no santuário, rezar uma missa na Capelinha das Aparições e fará uma oração de ação de graças.


O Vaticano anunciou hoje que o papa Francisco vai canonizar os dois pastorinhos Jacinta e Francisco durante a sua visita a Fátima, a 13 de maio.

O Papa visita Fátima a 12 e 13 de maio para o centenário das "aparições", em 1917.

Com Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29