sicnot

Perfil

Papa Francisco em Fátima

Francisco diz que viagem a Fátima é "algo especial, de oração"

Tony Gentile / Reuters

A bordo do avião, o Papa Francisco afirmou que a viagem a Fátima é "algo especial, de oração" e de "encontro com o Senhor e com a santa mãe de Deus".

"Esta viagem é algo especial, uma viagem de oração de encontro com o Senhor e com a santa mãe de Deus", disse Francisco aos 69 jornalistas que seguiram no voo papal em direção a Monte Real onde o papa aterrou às 16:10 e de onde partirá para Fátima de helicóptero.

A curta mensagem à imprensa foi feita menos de uma hora após a partida do aeroporto de Fiumicino pelas 14:10 locais (13:10 em Lisboa).

"Obrigada pela companhia e o trabalho que ides fazer", afirmou, dirigindo-se aos jornalistas.

A terminar, reiterou o agradecimento: "Obrigada pela companhia e vamos em frente".

De seguida como é habitual nos voos papais, o líder da Igreja Católica cumprimentou, um a um, todos os jornalistas que seguiam a bordo, e acedeu aos pedidos para benzer e autografar fotografias ou terços e também para tirar fotografias '"selfie". Nalguns casos, recebeu lembranças, mas também 'pedidos' especiais, como uma carta da mãe de um jornalista sul-americano.

O Papa percorreu o avião rodeado de seguranças e funcionários da Santa Sé.

A maior parte dos jornalistas presentes no voo são vaticanistas, com acreditação permanente junto da Santa Sé.

Acompanharam também a viagem sete jornalistas portugueses, da Rádio Renascença e da agência Ecclesia (acreditados no Vaticano), além da RTP, Jornal de Notícias, Diário de Notícias e Lusa.

Depois dos cumprimentos de Francisco, os jornalistas aproveitaram para se levantarem e conviver na zona do avião em que viajavam -- a passagem para a frente do aparelho, onde seguia o papa e a sua comitiva, estava proibida.

A viagem, a bordo de um avião da Alitalia, durou cerca de três horas.

O Papa vai estar hoje e sábado em Fátima para celebrar o centenário das "aparições" de 13 de maio de 1917 e para canonizar os beatos Francisco e Jacinta Marto.

O avião de Francisco, que partiu de Roma às 13:12, aterrou na Base Aérea de Monte Real às 16:10, onde era esperado pelo Presidente da República, primeiro-ministro e presidente da Assembleia da República, além do Núncio Apostólico, do presidente da Conferência Episcopal Portuguesa e do bispo de Leiria-Fátima.
Jorge Mario Bergoglio é o quarto Papa a visitar Fátima. Os anteriores papas que estiveram no maior templo mariano do país foram Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991, 2000) e Bento XVI (2010).

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.