sicnot

Perfil

Papa Francisco em Fátima

Peregrinos antecipam chegada e enchem lojas e Santuário

PAULO NOVAIS/ LUSA

Muitos dos peregrinos que assistem às celebrações do centenário das "aparições" marianas da Cova da Iria chegaram mais cedo que o habitual, antecipando as filas nos estabelecimentos comerciais e nas cerimónias religiosas.

"Não é costume termos fila tão cedo. Desde antes das 8:00 que temos fila para as confissões", disse à Lusa um dos funcionários do Santuário, depois de ter explicado a um grupo de peregrinos japoneses qual era o sacerdote que os poderia atender na sua língua.


"Não costumamos ter tanta gente tão cedo", disse uma funcionária de uma pastelaria junto à avenida D. João Alves Correia da Silva, enquanto atendia uma fila de dezena e meia de pessoas.


Também Carlos Silva, dono de um café numa das laterais da avenida, se mostrou surpreendido com a quantidade de clientes às primeiras horas da manhã.


"É por causa da chuva. As pessoas chegaram mais cedo e vão depois proteger-se para esperarem pelo papa", explicou o comerciante.


José e Liliana Santos dormiram na última noite no carro. Vieram de Seia na quinta-feira, depois do trabalho, e aproveitaram a tolerância de ponto de hoje para chegarem mais cedo.


"Vimos todos os anos, todos os 13 [de maio] , há 25 anos, desde que casámos. Mas nestes dias mais complicados vimos mais cedo e dormimos sempre no carro", explica José Santos, enquanto se barbeia pelo espelho retrovisor.


O papa Francisco chega hoje à tarde a Portugal para uma visita apostólica ao Santuário de Fátima, no âmbito do Centenário das Aparições, e durante a qual canonizará os pastorinhos Jacinta e Francisco Marto.


O avião que transporta Francisco de Roma deve aterrar na Base Aérea de Monte Real às 16:20, onde terá a aguardá-lo o Presidente da República, o primeiro-ministro, e o presidente da Assembleia da República, além do Núncio Apostólico, Rino Passigato, do presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Manuel Clemente, e do bispo da Diocese de Leiria, António Marto.


Francisco é o quatro papa a visitar Portugal, depois de Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991 e 2000) e Bento XVI (2010).

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC