sicnot

Perfil

Papa Francisco em Fátima

Marcelo conta que visita esteve para ser só no dia 13 e que Francisco lhe deu força

Joao Relvas

O Presidente da República contou este sábado que a visita do papa Francisco a Fátima esteve para ser só no dia 13, e que o Estado português contou "com grandes aliados para a esticar para dia 12".

Em declarações aos jornalistas, na Base Aérea de Monte Real, em Leiria, Marcelo Rebelo de Sousa falou ainda sobre a conversa que teve com o papa, antes da sua partida para Roma: "As últimas palavras que trocámos foram ele a dar-me força e eu a dar-lhe força".

"E ele precisa mais de força do que eu, porque a tarefa dele é que é verdadeiramente mais importante, porque há tantos conflitos nos quais ele está pessoalmente empenhado como mediador, e a Santa Sé, que nada do que importante no mundo lhe escapa", acrescentou.

Segundo o Presidente da República, o líder da Igreja Católica, "no avião, vai agora trabalhar com uma pastinha numa série de questões internacionais, porque sente que tem um papel a cumprir, muitas vezes com sucesso, outras vezes com menos sucesso, mas que ninguém mais pode cumprir".

Marcelo Rebelo de Sousa descreveu esta visita apostólica do papa como uma "operação dificílima e muito complexa" e agradeceu a todas as estruturas do Estado que contribuíram para a pôr de pé, autarquias, Forças Armadas, e também à Igreja Católica, considerando que "condensar isto em menos de 24 horas é muito difícil".

Depois, dirigiu "uma palavra muito especial" ao núncio apostólico em Portugal, Rino Passigato, que disse ter sido um aliado, "às vezes secreto", adiantando: "Eu hoje posso talvez dizer-vos que houve projetos bem mais limitados para Sua Santidade estar cá apenas umas horas, no dia 13. E nós contámos com grandes aliados para a esticar para dia 12, e ainda bem".

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, o papa "ficou muito impressionado com o que viu" em Fátima, "foi dizendo que ultrapassou todas as expectativas", e "como que rejuvenesceu" de sexta-feira para hoje: "Como vinha fatigado ontem e como saiu hoje, era outra pessoa".

"Estava muito impressionado com o calor das pessoas, mas um calor ponderado, moderado, sentido", prosseguiu.

O Presidente referiu que o papa ficou "muito feliz também com o tempo" que fez.

"Foi dizendo que tivemos uma ajuda lá de um amigo de cima, porque realmente não choveu. E eu disse: 'Ó santidade, choveu um bocadinho, ontem [sexta-feira] , mas foi na altura em que já não estava, foi na altura da comunhão, na missa'", relatou.

Questionado se ficou combinada alguma outra visita oficial do papa, respondeu que não, e realçou que o líder da Igreja Católica não faz muitas visitas, "por razões óbvias de agenda, de saúde, e por razões de programação complicada".

"Para todos os portugueses foi, de facto, um momento único, porque tivemos uma oportunidade que muitos países, muitos povos gostariam de ter tido e que não tiveram, e poderão não vir a ter. E Portugal teve, e mostrou que era justificada essa oportunidade", considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa deixou um "agradecimento aos portugueses", que, no seu entender, foram "excecionais, crentes e não crentes".

"Os crentes, na forma massiva como se empenharam e aderiram e estiveram em Fátima ou não estiveram, mas acompanharam. Os não crentes pelo respeito que revelaram e, em muitos casos, a admiração pessoal, independentemente da fé, pelo papa", completou.

Lusa

  • PS vai continuar a procurar entendimentos à esquerda
    1:38
  • 22 mortos devido a gripe H1N1 no Equador

    Mundo

    Uma epidemia de gripe H1N1 provocou a morte de 22 pessoas no Equador, onde estão diagnosticados perto de 500 casos, anunciou esta segunda-feira o vice-ministro da Saúde, Carlos Duran.

  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC