sicnot

Perfil

Papa Francisco em Fátima

Marcelo conta que visita esteve para ser só no dia 13 e que Francisco lhe deu força

Joao Relvas

O Presidente da República contou este sábado que a visita do papa Francisco a Fátima esteve para ser só no dia 13, e que o Estado português contou "com grandes aliados para a esticar para dia 12".

Em declarações aos jornalistas, na Base Aérea de Monte Real, em Leiria, Marcelo Rebelo de Sousa falou ainda sobre a conversa que teve com o papa, antes da sua partida para Roma: "As últimas palavras que trocámos foram ele a dar-me força e eu a dar-lhe força".

"E ele precisa mais de força do que eu, porque a tarefa dele é que é verdadeiramente mais importante, porque há tantos conflitos nos quais ele está pessoalmente empenhado como mediador, e a Santa Sé, que nada do que importante no mundo lhe escapa", acrescentou.

Segundo o Presidente da República, o líder da Igreja Católica, "no avião, vai agora trabalhar com uma pastinha numa série de questões internacionais, porque sente que tem um papel a cumprir, muitas vezes com sucesso, outras vezes com menos sucesso, mas que ninguém mais pode cumprir".

Marcelo Rebelo de Sousa descreveu esta visita apostólica do papa como uma "operação dificílima e muito complexa" e agradeceu a todas as estruturas do Estado que contribuíram para a pôr de pé, autarquias, Forças Armadas, e também à Igreja Católica, considerando que "condensar isto em menos de 24 horas é muito difícil".

Depois, dirigiu "uma palavra muito especial" ao núncio apostólico em Portugal, Rino Passigato, que disse ter sido um aliado, "às vezes secreto", adiantando: "Eu hoje posso talvez dizer-vos que houve projetos bem mais limitados para Sua Santidade estar cá apenas umas horas, no dia 13. E nós contámos com grandes aliados para a esticar para dia 12, e ainda bem".

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, o papa "ficou muito impressionado com o que viu" em Fátima, "foi dizendo que ultrapassou todas as expectativas", e "como que rejuvenesceu" de sexta-feira para hoje: "Como vinha fatigado ontem e como saiu hoje, era outra pessoa".

"Estava muito impressionado com o calor das pessoas, mas um calor ponderado, moderado, sentido", prosseguiu.

O Presidente referiu que o papa ficou "muito feliz também com o tempo" que fez.

"Foi dizendo que tivemos uma ajuda lá de um amigo de cima, porque realmente não choveu. E eu disse: 'Ó santidade, choveu um bocadinho, ontem [sexta-feira] , mas foi na altura em que já não estava, foi na altura da comunhão, na missa'", relatou.

Questionado se ficou combinada alguma outra visita oficial do papa, respondeu que não, e realçou que o líder da Igreja Católica não faz muitas visitas, "por razões óbvias de agenda, de saúde, e por razões de programação complicada".

"Para todos os portugueses foi, de facto, um momento único, porque tivemos uma oportunidade que muitos países, muitos povos gostariam de ter tido e que não tiveram, e poderão não vir a ter. E Portugal teve, e mostrou que era justificada essa oportunidade", considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa deixou um "agradecimento aos portugueses", que, no seu entender, foram "excecionais, crentes e não crentes".

"Os crentes, na forma massiva como se empenharam e aderiram e estiveram em Fátima ou não estiveram, mas acompanharam. Os não crentes pelo respeito que revelaram e, em muitos casos, a admiração pessoal, independentemente da fé, pelo papa", completou.

Lusa

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.

  • Projéteis com bolsas de água ajudam Israel a combater os fogos
    3:34

    Mundo

    Israel tem sido afetado por graves incêndios nos últimos meses. Várias empresas de armamento têm-se dedicado à luta contra o fogo e criaram, recentemente, uma nova arma para apagar fogos: um míssil de água, fabricado pela indústria de material de guerra, que tem ajudado bastante os bombeiros israelitas. A reportagem do correspondente da SIC no Médio Oriente, Henrique Cymerman, mostra-nos como funcionam os projéteis de água.

    Henrique Cymerman

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15