sicnot

Perfil

Papa Francisco em Fátima

Santuário de Fátima cheio de peregrinos para as cerimónias de canonização

Paulo Duarte/ Lusa

Milhares de peregrinos enchem o recinto do Santuário de Fátima para o início das cerimónias de celebração do Centenário das Aparições e de canonização dos pastorinhos Jacinta e Francisco, presididas pelo Papa.

Às 7:30, duas horas e meia antes do início das cerimónias, as pessoas concentradas no santuário ocupavam já todo o recinto, entre o altar e a basílica da Santíssima Trindade.

À mesma hora, centenas de pessoas percorriam as ruas adjacentes ao santuário, em direção ao recinto, ou faziam filas para entrar nos cafés e casas de banho.

O Papa Francisco canoniza hoje, em Fátima, os beatos Jacinta e Francisco Marto, duas crianças que, em 1917, afirmaram ter assistido à "aparição" de Nossa Senhora. Estas serão as duas primeiras crianças não mártires a ser elevadas à categoria de santos pela Igreja Católica.


A canonização marca o ponto alto das comemorações do Centenário das Aparições da Cova da Iria e tem lugar no início da missa que o Papa concelebrará no altar do recinto a partir das 10:00.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".