sicnot

Perfil

Ataque ao Charlie Hebdo

Ataque ao Charlie Hebdo

Ataque ao Charlie Hebdo

Quatro detidos em investigação aos ataques de Paris

Quatro pessoas foram detidas no âmbito da investigação dos atentados em Paris, que fizeram em janeiro passado 20 mortos, incluindo os três suspeitos dos ataques, indicou hoje uma fonte judicial.

Reuters

Estas pessoas pertencem ao círculo de amigos de Amédy Coulibaly, suspeito do assassínio a tiro de um polícia no dia 08 de janeiro, num subúrbio de Paris, e do sequestro de duas dezenas de pessoas num supermercado 'kosher', no dia seguinte, na capital francesa, precisou a mesma fonte, sem dar mais pormenores.

Quatro clientes do supermercado judaico acabariam por perder a vida no ataque.

Segundo a rádio francesa Europe 1, duas das pessoas sob custódia das autoridades são uma agente da polícia militar e o seu companheiro, atualmente detido no âmbito de outro caso. O homem é qualificado como um delinquente e próximo de Coulibaly.

A agente da polícia militar, convertida ao islamismo, foi suspensa de funções no início de fevereiro. A mulher é suspeita de ser cúmplice do companheiro.

Com base na análise das comunicações telefónicas, o homem terá estado em contacto com Coulibaly pouco antes dos atentados.

A polícia já tinha indiciado anteriormente outras quatro pessoas, também consideradas como próximas de Coulibaly.

Suspeitas de terem fornecido ajuda logística a Coulibaly, sem necessariamente terem conhecimento das intenções do suspeito, as quatro pessoas foram colocadas em prisão preventiva em finais de janeiro.

Tonino Gonthier, Willy Prévost, Christophe Raumel e Michael Alwatik terão fornecido armas e meios de transporte a Coulibaly ou terão facilitado o acesso a esses meios.

Dois dias antes dos incidentes atribuídos a Coulibaly, os dois irmãos Kouachi atacaram, a 07 de janeiro, a sede do semanário satírico francês Charlie Hebdo e mataram a tiro 12 pessoas.



  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.