sicnot

Perfil

Ataque ao Charlie Hebdo

Ataque ao Charlie Hebdo

Ataque ao Charlie Hebdo

Comediante francês que fez comentário no facebook é condenado a pena de prisão suspensa

O polémico comediante francês Dieudonné foi condenado a dois meses de prisão, com pena suspensa, por um comentário que escreveu na rede social facebook após os atentados de Paris, em Janeiro, que fizeram 17 mortos.

Hussein Malla

Na altura, Dieudonné escreveu "Je suis Charlie Coulibaly" (Eu sou Charlie Coulibaly), uma referência ao slogan de solidariedade para com os cartoonistas mortos do jornal satírico Charlie Hebdo,  a que acrescentou o apelido de um dos autores dos ataques na capital francesa Amédy Coulibaly. 
O tribunal considerou o comediante de instigar um sentimento de hostilidade para com a comunidade judaica e condenou-o ainda ao pagamento de uma multa de 30 mil euros.
Dieudonné, de 49 anos, não esteve presente na leitura da sentença mas já condenou os ataques na capital francesa e retirou o comentário da página do facebook. 

Amédy Coulibaly matou uma polícia e 4 judeus dois dias depois do atentado ao jornal satírico, num ataque a um supermercado parisiense.
  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.