sicnot

Perfil

Pokémon Go

Pokémon Go

Pokémon Go

Jogo Pokémon Go já causou tiroteio nos EUA

Dois adolescentes que jogavam Pokémon Go no interior do carro, numa localidade da Florida, EUA, foram baleados por um homem que os confundiu por assaltantes. Os dois escaparam ilesos.

Reuters

A polícia recebeu o telefonema dos pais de um dos rapazes, a reportar o incidente.

O homem confessou que baleou o carro onde estavam os adolescentes, depois de estes se terem recusado a parar. O incidente não causou, porém, vítimas e os adolescentes escaparam sem qualquer ferimento.

As autoridades aproveitaram a oportunidade para criar e divulgar as "guidelines" do Pokemon Go, para que adolescentes e adultos o joguem de forma segura. São eles:

  • Estar sempre alerta e vigilante face ao que se passa à volta;
  • Não conduzir qualquer veículo (incluindo andar de bicicleta, skate ou similares) enquanto se joga;
  • Não trespassar ou invadir propriedade privada enquanto se joga;
  • Estar alerta em relação aos "Pokestops".

Os pais, por seu lado, devem:

  • Falar com os filhos sobre estranhos e estabelecer limites sobre até onde podem ir;
  • Estar alerta sobre apps que prometem melhorar a experiência do jogo - pedindo acesso aos dados pessoais.

Segundo a SimilarWeb, as pessoas estão atualmente a gastar mais tempo a jogar o Pokemon Go do que a utilizar o Snapchat, Instagram ou o Whatsup App.

  • A febre do Pokémon Go
    5:33

    Pokémon Go

    Afinal o que é este jogo para telemóvel que põe milhões a andar na rua? Já foi causa de embaraços, acidentes e ajudou em assaltos. Contudo, há uma verdadeira febre coletiva com a recente forma de aventura. O Pokémon Go desafia os jogadores a caçarem monstros de bolso em cenários reais, captados pelas câmaras dos telemóveis. O Lourenço Medeiros explica.

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.