sicnot

Perfil

Pokémon Go

Pokémon Go

Pokémon Go

PSP lança manual que ensina a caçar Pokémon em segurança

A PSP lançou hoje um manual que ensina os jogadores a caçar os bonecos virtuais Pokémon em segurança e lembra que ainda se vive "no mundo real".

© Sam Mircovich / Reuters

"No pico mais alto desta época de caça aos Pokémon, a PSP aproveita para relembrar alguns cuidados de segurança. Por entre desafiantes batalhas, treinos muito duros e difíceis capturas, não se esqueça que ainda estamos no mundo real!", refere a Polícia de Segurança Pública, na sua página oficial do facebook.

O porta-voz da PSP, intendente Hugo Palma, disse à agência Lusa que este manual tem como objetivo prevenir e chamar a atenção dos jogadores para terem alguns cuidados com a segurança devido aos acidentes que já aconteceram em outros países.

Hugo Palma adiantou que em Portugal ainda não se registou qualquer acidente.

O porta-voz da PSP disse ainda que polícias de outros países também lançaram alertas idênticos.

A mensagem da PSP, com as indicações de segurança, somou mais de 5.000 partilhas, na primeira hora após a publicação no facebook.

No alerta, a PSP sublinha que, "como consequência desta animada febre, já ocorreram alguns incidentes, lesões graves e até alguns crimes foram cometidos, onde os suspeitos engenhosamente simulavam falsos 'pokestops', para se introduzirem em residências".

Entre os conselhos, a PSP recomenda para que o jogador "esteja sempre atento ao que o rodeia", "observe o meio envolvente" e que "não cace sozinho", mas "em grupo ou aos pares, de forma a aumentar a segurança".

"Não utilizar a aplicação enquanto conduz", "não entrar em propriedade alheia ou áreas de acesso restrito", o que constitui um crime, e ter "especial atenção a aplicações relacionadas com o jogo", que "podem conter 'malware' e comprometer a segurança de dados pessoais" são outros conselhos da PSP.

A Polícia alerta ainda os mais jovens para que não interajam com estranhos.

Dois adolescentes quase que foram baleados, no sábado à noite, nos Estados Unidos, depois de terem entrado num quintal privado, à procura dos monstros virtuais, e de o dono os ter confundido com assaltantes.

O Pokémon Go é um jogo desenvolvido pela Niantic, lançado na primeira quinzena de julho, nos Estados Unidos, em que os jogadores usam telemóveis com sistemas iOS ou Androide, para caçar monstros imaginários, no mundo real.

Lusa

  • A febre do Pokémon Go
    5:33

    Pokémon Go

    Afinal o que é este jogo para telemóvel que põe milhões a andar na rua? Já foi causa de embaraços, acidentes e ajudou em assaltos. Contudo, há uma verdadeira febre coletiva com a recente forma de aventura. O Pokémon Go desafia os jogadores a caçarem monstros de bolso em cenários reais, captados pelas câmaras dos telemóveis. O Lourenço Medeiros explica.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59