sicnot

Perfil

Pokémon Go

Pokémon Go

Pokémon Go

Já há quem "choque ovos" e leve Pokémon a passear por um preço

DAVID MOIR/EPA

A aplicação só foi lançada de forma oficial na passada sexta-feira em Portugal, mas desde então que se multiplicaram os serviços não oficiais para os utilizadores de Pokémon Go, desde quem "passeia" Pokémon a quem "choca ovos".

A própria Nintendo reconhecia, no comunicado inicial, que já antes do lançamento havia "milhares de portugueses" a sair à rua para procurar Pokémon em locais como "igrejas, praias e restaurantes", surgindo múltiplos relatos e imagens de concentrações em locais públicos de noite e de dia no grupo de Facebook da aplicação para telemóveis, que conta com mais de 23 mil membros.

A aplicação da Niantic encontra-se no topo da lista de transferências quer do iTunes quer da loja da Google (onde foi descarregada, a nível mundial, 1,2 milhões de vezes), e fez com que uma série de serviços fossem listados no portal OLX.

Na zona de Lisboa, há quem venda passeios de mota ("tenho capacete extra com a higiene necessária", lê-se no anúncio) entre 10 e 20 euros, ou de barco pelo Tejo por 40 com "paragem em todos os ginásios e 'pokestops' à escolha do cliente".

Na aplicação, o utilizador torna-se num treinador de Pokémon (criaturas animadas com vários formatos, com potencial de evolução e transformação para níveis superiores) que deve capturar tantos quantos puder, desenvolvê-los e eventualmente realizar combates com outros jogadores.

Em Setúbal, há, novamente através do OLX, pelo menos, um "chocador de ovos" com "vasta experiência, sem equipa, sério" que diz recolher os telemóveis dos clientes e entregar em sítio a combinar cobrando três euros por "chocar" um ovo de dois quilómetros, sete euros por um de cinco e 10 euros por um de 10 quilómetros, o que significa que, uma vez apanhado um ovo de Pokémon, é necessário colocá-lo numa incubadora e andar - literalmente - a distância necessária até obter o dito.

No Porto, há "treinadores profissionais" que cobram 20 euros para aumentar o nível dos Pokémon, num serviço de "máxima confiança, sem 'cheats/hacks', apenas longas caminhadas", semelhante ao de outro serviço de "Go Walking", que, segundo o anunciante, faz "chocagem de ovos no Pokémon GO" e "paragem em múltiplos 'checkpoints'".

Na quarta-feira, um utilizador do OLX de nome António chegou a publicar um anúncio (o seu primeiro naquele portal) de instalação da aplicação por cinco euros, sem realçar que a aplicação é gratuita.

A aplicação aprofunda o conceito de "apanhá-los todos" dos Pokémon, jogos criados no Japão na década de 1990 para Game Boy que vieram a dar origem a séries de animação e a mais jogos em diversas plataformas da Nintendo.

Lusa

  • "É o que ganho por jogar este jogo palerma"
    0:48

    Pokémon Go

    Um jogador do Pokémon Go embateu num carro da polícia, enquanto conduzia e jogava ao mesmo tempo. O acidente aconteceu em Baltimore nos Estados Unidos da América, sob o olhar atento das autoridades. Ninguém ficou ferido e a polícia aproveitou para reforçar os apelos. O jogo e as autoridades pedem aos jogadores para terem atenção ao que se passa no mundo real.

  • Os conselhos da PSP para jogar Pokémon Go
    1:45

    Pokémon Go

    A febre do Pokémon Go já invadiu Portugal. A PSP publicou no Facebook alguns conselhos para ajudar os jogadores a caçar Pokémons em segurança. Alguns dos alertas são: não caçar sozinho, não entrar em propriedades privadas e não jogar ao mesmo tempo que conduz. O intendente Hugo Palma pede também atenção às aplicações relacionadas com o jogo, que põem em causa os dados pessoais do jogador.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.