sicnot

Perfil

Pokémon Go

Pokémon Go

Pokémon Go

Algumas atrações turísticas no Japão proíbem jogo Pokémon GO

© Toru Hanai / Reuters

Um dia depois da esperada estreia da aplicação para "smartphones" Pokémon Go no Japão, os operadores de algumas das atrações turísticas mais populares do país começaram a instar os visitantes a jogarem com cautela ou a evitarem jogar nas instalações.

O santuário de Izumo, considerado o segundo mais sagrado do Japão, foi mais longe e proibiu a utilização do "Pokémon GO" no recinto, segundo informa a sua página de Internet.

As autoridades do santuário, localizado em Shimane, no oeste do Japão, argumentam que esta proibição responde à necessidade de preservar a atmosfera "solene" do lugar e garantir a segurança dos seus seis milhões de visitantes anuais.

Por sua vez, o castelo de Himeji, a fortificação feudal mais famosa do país e património mundial da UNESCO, colocou sinais no interior e imediações a pedir ao público que não jogue enquanto caminha no complexo.

Voluntários do Parque da Paz da cidade de Hiroshima, que presta homenagem às vítimas da bomba atómica que devastou o local em 1945, também expressaram nos meios de comunicação japoneses o seu descontentamento com a possibilidade de um local pensado para a reflexão se encher de gente a jogar.

Já a torre Skytree de Tóquio emitiu um alerta mais moderado, pedido "precaução ao jogar", já que a gigantesca estrutura é um dos 'ginásios' em que jogadores do Pokemon GO podem fazer competir os 'pokémons' que encontram, e o operador da torre espera poder atrair assim mais público.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.