sicnot

Perfil

Pokémon Go

Pokémon Go

Pokémon Go

Nova Iorque proibe 3 mil pedófilos de jogarem Pókemon Go

© Sam Mircovich / Reuters

O Estado norte-americano de Nova Iorque anunciou hoje que vai proibir cerca de 3 mil pedófilos em liberdade condicional de utilizar o Pókemon Go, para garantir a segurança das crianças.

A medida, segundo as autoridades, visa garantir a segurança das crianças e foi posta em prática dias depois dos legisladores terem chamado a atenção para o perigo dos pedófilos se aproveitarem do jogo.

"Proteger as crianças de Nova Iorque é a prioridade número um e, à medida que a tecnologia avança, devemos assegurar que aqueles avanços não se convertam em avenidas para que os perigosos predadores abusem de novas vítimas", referiu, em comunicado, o governador do estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo.

Andrew Cuomo ordenou hoje ao departamento estatal de prisões para restringir o uso do Pokémon Go às pessoas condenadas por crimes sexuais em liberdade condicional e avisá-las que caso descarreguem o jogo ou participem em jogos parecidos estão a violar a liberdade condicional.

A decisão vai afetar cerca de 3 mil condenados que estão atualmente em liberdade condicional, segundo as autoridades.

O Estado de Nova Iorque vai também contactar com a empresa que criou a aplicação para colaborar com a iniciativa das autoridades.

Segundo a investigação, apresentada pelas autoridades nova-iorquinas, os Pokémon Go foram localizados em frente de casas de pessoas condenadas por crimes sexuais em 57% dos casos.

A aplicação também permite aos pedófilos saberem através um mapa onde estão crianças a perseguir as populares criaturas.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26