sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Manuel João Vieira faz pré-apresentação de candidatura às presidenciais

O músico e artista plástico Manuel João Vieira faz hoje, em Lisboa, uma pré-apresentação da sua candidatura à Presidência da República Portuguesa, para a qual já começou a recolher assinaturas, disse o próprio à agência Lusa.

Manuel João Vieira, músico

Manuel João Vieira, músico

©Jaime Serôdio/ Sociedade Portuguesa Autores

"Não será o dia formal da apresentação [da candidatura à Presidência da República], será uma espécie de pré-apresentação", disse Manuel João Vieira, adiantando que está a planear "um evento mais mediático" para 17 de outubro.

Esta 'pré-apresentação' será feita às 21:00 na sala Manoel de Oliveira do cinema São Jorge, antes de uma sessão de cinema do Motelx -- Festival Internacional de Cinema de Terror, que decorre até domingo.

"Eu não queria", confessou à Lusa. "Mas as circunstâncias do país são muito difíceis e há uma certa quantidade de pessoas que queria que eu voltasse a candidatar-me e resolvi entrar em contacto com este problema diretamente, disse.

Manuel João Vieira assume que não tem dinheiro para uma candidatura e que "sem dinheiro é difícil arranjar assinaturas". "Mas vou tentar investigar e vou tentar mobilizar forças para ver se é possível", garantiu.

A recolha de assinaturas já começou, "mas até agora só através da internet [em www.vieira2016.com]".

"Vamos tentar passar agora para fazer trabalho de campo, trabalho de rua", afirmou.

Até agora, Manuel João Vieira conseguiu reunir "500 e tal assinaturas [têm quer ser 7.500 no total]". "São poucas, mas estamos a começar", referiu.

Esta não é a primeira vez que o músico e artista plástico anuncia candidaturas à Presidência da República. Já o tinha feito em 2001, 2006 e 2011, mas acabou por nunca figurar no boletim de voto.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Ano letivo "de uma maneira geral começou bem"

    País

    O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o ano letivo "de uma maneira geral começou bem" e defendeu a possibilidade serem feitas "correções" a situações "injustas ou discutíveis" entre os concursos que se realizam de quatro em quatro anos.