sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Henrique Neto visita quartel dos bombeiros para "conhecer problemas do país"

O candidato à Presidência da República Henrique Neto visitou hoje o quartel do Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) de Lisboa num périplo para "conhecer os problemas do país".

SIC/Arquivo

SIC/Arquivo

Henrique Neto, em declarações à agência Lusa, disse ter decidido visitar o quartel da Av. D. Carlos I "pela mesma razão" que foi a outros locais, como universidades, empresas, partidos políticos e várias instituições.

"Para conhecer os problemas do país nas suas diferentes vertentes. E uma corporação de bombeiros, nomeadamente na cidade de Lisboa, é de uma grande importância porque nós dependemos dos bombeiros nos momentos de aflição", afirmou.

Para este empresário e militante socialista, "alguém que quer ser presidente da República deve saber o que é que se passa também nesta área de atividade".

Apesar de haver quem questione "mas isso não é [da responsabilidade] do governo?", Henrique Neto defende que "o presidente da República por ser presidente da República não deve ser indiferente a tudo o que se passa no país".

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.