sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Edgar Silva diz que Estado não pode discriminar portugueses

O candidato presidencial apoiado pelo PCP, Edgar Silva, defendeu hoje, em Viana do Castelo, que o Estado "não pode" tratar os portugueses que vivem longe dos centros urbanos como "se fossem de terceira ou quarta categoria".

Lusa

Lusa

ANT\303\223NIO COTRIM

"Há aqui da parte do Estado a imposição de constrangimentos que são inaceitáveis e são bloqueios ao desenvolvimento aos mais variados níveis", disse Edgar Silva durante uma visita ao concelho de Viana do Castelo.

Falando no final de uma visita às instalações da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão deficiente mental (APPACDM), o candidato afirmou que o "Estado não pode ter uma política madrasta para quem está na periferia, e depois de total apoio a quem está nos grandes centros urbanos".

"Há uma exigência de tratamento que não pode ser igual, porque as situações não são de igualdade, de uma discriminação positiva para quem necessita de respostas específicas", sublinhou.

Segundo Edgar Silva, "é contra esta forma inaceitável do Estado intervir" que a sua candidatura se irá bater nas eleições presidenciais de 24 de janeiro, garantindo que irá "tomar partido de quem, na periferia, reclama por justiça".

Como exemplo "deplorável" desse tratamento apontou o caso de dois Centros de Atividades Ocupacionais (CAO), e um lar residencial daquela associação de apoio à deficiência, respostas que deixam de ter apoio da Segurança Social.

Edgar Silva disse que se trata de "um problema que quase parece inacreditável" e classificou como "deplorável" o comportamento da Segurança Social.

"Os equipamentos estão prontos a funcionar e estão encerrados porque a Segurança Social assumiu compromissos e não está a honrá-los", sustentou.

"Eu como candidato à presidência da República e se vier a ser, se o povo assim o quiser, através do voto estas situações não podem deixar um candidato a presidente da República indiferente (...). Requerem decisões imediatas", defendeu.

Antes de visitar aquela associação, o candidato esteve no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, o qual se debate "com insuficiente financiamento", tendo ainda apontado a introdução das portagens na A28, como um dos "obstáculos" que se colocam à região, no que diz respeito "aos direitos de mobilidade e ao desenvolvimento económico".

Edgar Silva deslocou-se ainda a uma fábrica de armas para contactos com trabalhadores e termina o dia com um jantar com apoiantes na sede do partido em Viana do Castelo.

Lusa

  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.