sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Vento leva assinaturas de candidata às presidenciais

A anunciada candidata presidencial Graça Castanho informou hoje que desistiu da candidatura, depois do temporal que se abateu na ilha de S. Miguel ter destruído os formulários com as assinaturas necessárias à formalização do processo junto do Tribunal Constitucional.

ANTÓNIO ARAÚJO/LUSA

"Numa altura em que estava consolidada a obtenção de mais de 8.000 assinaturas necessárias para, na próxima semana, formalizar junto do Tribunal Constitucional a candidatura presidencial de Graça Borges Castanho, o forte temporal que se abateu sobre a Ilha de S. Miguel inutilizou, ao final da tarde do dia de ontem [segunda-feira], à roda de 6.000 formulários, o correspondente a sensivelmente 3.000 assinaturas", descreve em comunicado o mandatário da candidatura, António Delgado.

Segundo a nota da candidatura da docente universitária oriunda dos Açores, "as referidas fichas de assinaturas (...) com a força colossal de uma rajada de vento literalmente voaram da mala do veículo que as transportava, indo parar a centenas de metros de distância. Em escassos segundos perto de 6.000 folhas, pela ação do vento e da chuva, ficaram destruídas".

"Comunicamos, com enorme tristeza e desgosto que, perante tal incidente, deixam de existir condições para manter a candidatura", conclui o comunicado.

Graça Borges Castanho, também ex-diretora regional das Comunidades nos Açores no Governo do PS chefiado por Carlos César, anunciou a 30 de maio, em Ponta Delgada (ilha de S. Miguel, Açores), a pretensão de se candidatar a Belém.

Além de Graça Castanho, já desistiram de avançar com a candidatura à Presidência da República Paulo Freitas do Amaral, Orlando Cruz e António Araújo da Silva.

As eleições presidenciais realizam-se a 24 de janeiro.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01