sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Castanheira Barros desiste da corrida a Belém

O advogado Castanheira Barros, que se tinha anunciado como pré-candidato à Presidência da República, informou hoje em Coimbra que não vai disputar as eleições devido "à grande azáfama" da sua vida profissional.

O advogado diz que seria um bom candidato para obter o apoio partidário do PSD, mas garante que não fecha a porta a outras cores políticas que se revejam nas ideias que tem para o cargo.

O advogado diz que seria um bom candidato para obter o apoio partidário do PSD, mas garante que não fecha a porta a outras cores políticas que se revejam nas ideias que tem para o cargo.

SIC

"Acontece que cheguei a este momento sem condições para apresentar a candidatura, apesar dos milhares de assinaturas recolhidas", afirmou o advogado, numa conferência de imprensa no Hotel Dom Luís, em Coimbra, recusando-se a especificar o número exato de assinaturas que recolheu.

Castanheira Barros aproveitou também para manifestar o seu apoio a Marcelo Rebelo de Sousa, por uma questão de "coerência", recordando que quando se candidatou à liderança do PSD afirmou que apontaria Marcelo Rebelo de Sousa como candidato do partido às legislativas.

A razão da desistência às presidenciais, refere, prende-se com o facto de estar a viver "o momento mais intenso" da sua carreira enquanto advogado, não tendo tido "um único dia de sossego" desde que os tribunais "reabriram a 01 de setembro".

"Estão a decorrer as cinco principais ações de toda a minha carreira e pela lealdade aos meus clientes não pude dedicar-me o suficiente a uma divulgação mais intensa deste projeto", apontou Castanheira Barros.

Entre os processos, que totalizam "valores na ordem dos 4,5 milhões de euros", estão a coincineração de resíduos perigosos em Souselas e na Serra da Arrábida, uma "questão ambiental" em Torre de Moncorvo, uma ação em causa própria em que pede uma indemnização por não estar integrado na carreira de investigação científica e uma disputa de heranças.

Castanheira Barros manifestou ainda solidariedade para com todos os candidatos "que foram marginalizados pela comunicação social" e que não tiveram "oportunidade de expor publicamente as suas ideias".

Durante a campanha, distribuiu diretamente "mais de 60 mil panfletos", sendo que o momento mais alto de divulgação foi em agosto, quando uma tarja percorreu os céus do Algarve, realçou Castanheira Barros, que se recusa a usar a palavra "desistência", porque esta "não existe no seu dicionário".

Antes um "adiamento", vincou, referindo que, caso o trabalho como advogado abrande, vai voltar a apresentar "novo projeto de candidatura daqui a cinco anos".

"Foi feita uma rodagem e estou pronto para avançar para a estrada para um longo percurso, se houver condições", afirmou.

Até 2021, Castanheira Barros promete continuar a luta "contra a coincineração e contra o corte de pensões e vencimentos".

Além de Castanheira Barros, já desistiram de avançar com a candidatura à Presidência da República Sérgio Gave Fraga, José Pedro Simões, Graça Castanho, Paulo Freitas do Amaral, Orlando Cruz e António Araújo da Silva.

As eleições presidenciais realizam-se a 24 de janeiro.

Lusa

  • Merkel visita Portugal no final de maio

    País

    A chanceler alemã, Angela Merkel, efetua uma visita oficial a Portugal nos dias 30 e 31 deste mês a convite do primeiro-ministro, António Costa. Com passagem por Braga, Porto e Lisboa.

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.