sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Marisa Matias diz que corte na Saúde equivale a dinheiro gasto no Banif

A candidata presidencial Marisa Matias defendeu hoje um investimento direto e concreto no Serviço Nacional de Saúde (SNS), lembrando que o corte no setor é equivalente ao dinheiro gasto num dia no Banif.

(arquivo)

(arquivo)

"Não pode ser admissível um discurso vazio em termos dos direitos, precisamos de um investimento direto e concreto no SNS para evitar que situações destas continuem a acontecer", afirmou Marisa Matias, em declarações aos jornalistas no final de um encontro com a CGTP-IN, a propósito da morte esta noite de um homem de 74 anos que foi transferido de Faro para Coimbra depois de alegadamente ter sido recusado no S. José, em Lisboa.

Questionada se o país tem dinheiro para esse investimento, a candidata presidencial disse que "há sempre dinheiro", recordando o caso do Banif.

"Se há 2 mil e 200 milhões de euros num dia para o Banif, tem que haver para todos os dias, para todos os profissionais e para todas as pessoas que aqui vivem e que têm direito a ter SNS universal e gratuito", sublinhou.

Recusando uma "saúde para pobres e outra para ricos", Marisa Matias vincou que não podem existir profissionais maltratados e, sobretudo, "não pode haver mortes causadas por uma lógica que nada tem a ver com a salvaguarda dos direitos, nada tem a ver com a consolidação de contas públicas, que continuam por consolidar".

Essa lógica, acrescentou, "tem exclusivamente a ver com opções ideológicas, que colocam sistematicamente os interesses dos mercados e económicos à frente da vida das pessoas".

A morte do homem de 74 anos esta noite nos hospitais de Coimbra ocorre duas semanas depois do caso do jovem de 29 anos, que morreu no Hospital de São José.

O jovem tinha sido internado a 11 de dezembro, tendo-lhe sido diagnosticado uma hemorragia cerebral provocada por um aneurisma, necessitando de uma intervenção cirúrgica rápida.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.