sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Marcelo diz que Cavaco "fez bem" em promulgar normas do Orçamento

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa considerou hoje, em Albufeira, que o Presidente da República "na dúvida, fez bem em promulgar" diplomas que adiam para 2016 algumas normas do Orçamento do Estado para 2015, bem como o Orçamento Retificativo.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

O Presidente da República fez aquilo que eu faria se estivesse na posição dele, que é, na dúvida promulgou o orçamento para ser aplicado a partir de 01 de janeiro", disse aos jornalistas Marcelo Rebelo de Sousa à margem da visita que efetuou à baixa da cidade de Albufeira, no Algarve, uma das zonas fustigadas pelas cheias de 01 de novembro.

Na opinião do candidato presidencial, a promulgação destas normas "dará tempo e possibilidade a quem quiser recorrer ao Tribunal Constitucional (TC) para saber se o Governo não deveria ter ido mais longe no caso da reposição dos salários dos funcionários públicos a partir de outubro de 2016".

Para Marcelo Rebelo de Sousa, o recurso ao TC "é um direito dos sindicatos e dos portugueses, se entenderem que deveria ser mais do que aquilo que o Governo dá", acrescentando ter conhecimento que um sindicato tem dúvidas se a decisão respeita integralmente a decisão do TC de 2014".

"A leitura que faço é que o Governo, certamente, fez contas à vida e já ligou esta lei com o orçamento, e pensou que não vai ser possível repor imediatamente tudo a partir de 01 de janeiro. Penso que o Governo foi cuidadoso, porque não deu tudo aquilo que poderia dar e sem comprometer o Orçamento do Estado", sublinhou.

Marcelo Rebelo de Sousa fez votos de que o ano de 2016, "seja uma saída rápida da crise e sobretudo de melhoria da situação social daqueles que mais sofreram com a crise".

"Espero que haja possibilidade de que com crescimento e com emprego, seja reposto aquilo que foi o sacrifício dos últimos quatro anos e meio de muitos portugueses em justiça, em pobreza e em risco de pobreza. Se for assim, ficamos todos felizes, porque a economia é feita para os portugueses e não os portugueses para a economia ou para as finanças", concluiu.

Marcelo Rebelo de Sousa deslocou-se durante a tarde de hoje à cidade de Albufeira, onde contactou com populares, visitando também alguns comerciantes cujos estabelecimentos foram afetados pelas cheias do passado dia 01 de novembro.

O candidato manifestou-se "impressionado com a recuperação rápida e eficiente de grande parte da baixa da cidade, apesar de uma parte do comércio ter conseguido reabrir antes do fim do ano".

"É visível o esforço feito pela população, comerciantes e pela autarquia", destacou Marcelo Rebelo de Sousa, acrescentando que espera "que o Estado de porte bem e cumpra a sua parte na ajuda à recuperação, apesar de ser sempre um pouco mais lento a reagir".

O Presidente da República promulgou na quarta-feira os diplomas que adiam para 2016 algumas normas do Orçamento do Estado para 2015, bem como o Orçamento Retificativo, apresentado na sequência do resgate ao Banif, confirmou à Lusa fonte da Presidência.

Foram igualmente aprovados os diplomas que preveem a reposição faseada dos cortes salariais no setor público, a redução para metade da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) em 2016 e a aplicação da sobretaxa de IRS no próximo ano, bem como o diploma que prevê a subida do salário mínimo nacional (SMN) para os 530 euros, revelou a mesma fonte.

Lusa

  • Senegal surpreende e vence a Polónia por 2-1

    Mundial 2018 / Polónia

    O Senegal venceu hoje a Polónia por 2-1 num jogo a contar para o grupo H do Mundial da Rússia. Na primeira parte, os "leões de Teranga" beneficiaram de um golo na própria baliza marcado por Thiago Cionek aos 37 minutos. A vantagem no marcador veio trazer estabilidade ao Senegal que conseguiu firmar a superioridade com um golo de M´Baye Niang aos 60 minutos. Perto do final do jogo, o polaco Grzeg Krychowiak marcou na baliza de Khadim N'Diaye, mas foi insuficiente para derrotar o Senegal.

  • Japão ganha nova esperança ao derrotar a Colômbia (2-1)

    Mundial 2018 / Colômbia

    No primeiro jogo do grupo H, a Colômbia foi derrotada pelo Japão. Um dos momentos altos do jogo aconteceu logo ao minuto 4 quando, na sequência de uma falta de Carlos Sanchez, o árbitro assinalou um penálti a favor da equipa japonesa. O colombiano levou um cartão vermelho, depois de ter intercetado um remate do Japão com a mão. Apesar da desvantagem numérica, a Colômbia iguala o marcador aos 39 minutos com um livre de Quintero. Contudo, Yuya Osako colocou o Japão novamente em vantagem aos 73 min.

  • Achilles, o gato que adivinha os resultados do Mundial
    0:44

    Desporto

    Depois do polvo Paul no Mundial de 2010 e do elefante Zella no Europeu de 2016, este ano, o gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. O felino acertou na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita e já fez a aposta para a partida entre os russos e o Egipto, que decorre esta terça-feira, a partir das 19:00.

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

    SIC

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Morreu o orangotango mais velho do mundo

    Mundo

    O orangotango mais velho do mundo morreu aos 62 anos no jardim zoológico de Perth, no norte da Austrália, deixando 54 descendentes, anunciou esta terça-feira a instituição.

  • Milionários aumentam... e as suas fortunas também

    Mundo

    O número de milionários mundiais cresceu em 2017 e o seu nível de riqueza aumentou pelo sexto ano consecutivo, ultrapassando pela primeira vez os 70 biliões de dólares (60,5 biliões de euros), segundo um estudo divulgado esta terça-feira.