sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Paulo Morais e Marisa Matias discordam sobre dissolução do parlamento

O candidato presidencial Paulo Morais avisou hoje que demite o primeiro-ministro caso falhe as promessas eleitorais, mas a candidata Marisa Matias discordou por considerar que não basta um conflito político para dissolver o parlamento.

(arquivo)

(arquivo)

Num debate na TVI24, Marisa Matias e Paulo Morais estiveram de acordo em temas como o veto ao orçamento retificativo, aprovado pelo parlamento em dezembro por causa do problema do Banif, o combate à corrupção ou a rejeição de parcerias público-privadas.

A discórdia surgiu quando Paulo Morais reiterou que demite o primeiro-ministro - António Costa ou outro - caso as promessas eleitorais não sejam cumpridas, porque "ninguém tem direito de mentir aos eleitores".

Para o ex-vice-presidente da Câmara do Porto, "o voto não é a escolha de uma miss simpatia ou de um mister simpatia".

Marisa Matias contrapôs que "não basta um conflito político para demitir um Governo ou para dissolver uma Assembleia" da República.

A candidata apoiada pelo BE rejeitou que se viva "num clima de permanente instabilidade" e que os órgãos de soberania se atropelem, defendendo que não se pode "andar sempre com a bomba atómica [poder de dissolver o parlamento] na mão a achar que ela pode ser detonada a qualquer momento".

Lusa

  • Pelo menos seis mortos em descarrilamento nos EUA

    Mundo

    Pelo menos seis pessoas morreram na sequência do descarrilamento de um comboio de passageiros, ocorrido esta segunda-feira perto da cidade norte-americana de Seattle, estado de Washington, referiu um responsável norte-americano citado pela agência noticiosa norte-americana Associated Press.

  • Comissão de trabalhadores da Autoeuropa vai entregar contraproposta
    1:39

    Economia

    A Autoeuropa vai parar entre o Natal e o Ano Novo por falta de peças para a produção. O anúncio foi feito esta segunda-feira, no dia em que foram retomadas as negociações sobre os novos horários de trabalho na fábrica de Palmela. Ainda não está nada decidido, mas a Comissão de Trabalhadores vai preparar uma contraproposta para entregar à administração que, na semana passada, impôs de forma unilateral o trabalho ao sábado.