sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Marcelo "moderadamente otimista" com perspetiva de défice de 2,6% para este ano

Marcelo "moderadamente otimista" com perspetiva de défice de 2,6% para este ano

Marcelo Rebelo de Sousa está "moderadamente otimista" relativamente à meta do défice para este ano. O candidato à presidência da República realça a importância de encontrar um valor que se enquadre à realidade do país e às perspetivas da União Europeia.

  • A Quadratura da campanha eleitoral
    2:33

    Quadratura do Círculo

    As eleições presidenciais de domingo estiveram em destaque na Quadratura do Círculo. Pacheco Pereira afirma que Marcelo Rebelo de Sousa veio isolar os setores mais radicais da direita, mas não sabe o que fará se for eleito Presidente da República. Jorge Coelho diz que preferia um chefe de Estado com características diferentes do professor, enquanto Lobo Xavier defende que Marcelo vai ser útil para o país.

  • Quem são os dez candidatos às presidenciais

    Infografias

    A 24 de janeiro têm lugar as eleições presidenciais. Dez candidatos entregaram o processo de candidatura junto do Tribunal Constitucional: Henrique Neto, Sampaio da Nóvoa, Cândido Ferreira, Edgar Silva, Jorge Sequeira, Vitorino Silva (Tino de Rans), Marisa Matias, Maria de Belém Roseira, Marcelo Rebelo de Sousa e Paulo Morais. Pela primeira vez, existe um número tão elevado de candidatos e duas mulheres entram na corrida a Belém. Caso nenhum obtenha mais de metade dos votos validamente expressos, realiza-se uma segunda volta a 14 de fevereiro.

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.