sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Urnas da freguesia do Muro, Trofa, não abriram em reivindicação pelo metro

As mesas de voto para as eleições Presidenciais na freguesia do Muro, concelho da Trofa, não abriram às 08:00 horas como estava previsto numa forma de reivindicação pela construção da linha de metro.

Às 09:00 ainda não havia indicação sobre se as mesas de voto chegariam a abrir.

"Não existem condições para realizar o ato eleitoral porque os locais de voto estão preparados, mas as pessoas que acompanham o ato não compareceram assim como não aparecem eleitores", descreveu à agência Lusa o presidente da Junta do Muro, Carlos Martins.

Em causa está a reivindicação da população pela construção da linha de metro: prolongamento da linha do Instituto Superior da Maia (ISMAI) até à Trofa.

O boicote está a decorrer de forma "pacífica", descreveu o autarca do Muro, resultando "simplesmente num desprezo das pessoas pelo ato eleitoral", sem que esteja pensada qualquer manifestação.

Junto ao espaço está colocada uma imagem com fotografias da estação de comboios e os anos 1932 (quando o comboio começou a passar na Trofa), 2002 (quando a ligação ferroviária foi encerrada para dar lugar a metro) e 2016 antecedido da pergunta "e o futuro?".

Esta não é a primeira vez que os habitantes desta freguesia da Trofa boicotam um ato eleitoral.

Em 2011, nas eleições presidenciais em que foi eleito Aníbal Cavaco Silva, as eleições no Muro foram boicotadas no domingo 23 de janeiro, repetiram-se a 25, terça-feira, mas a população voltou a abster-se.

Também em maio de 2014 nas eleições Europeias houve boicote no Muro que soma cerca de 1600 eleitores.

Recorde-se que a 24 de fevereiro de 2002, a circulação ferroviária nas linhas da CP da Póvoa de Varzim e da Trofa foram encerradas para dar início às obras de construção do canal do metro, disponibilizando-se um serviço de transportes alternativos em autocarro aos clientes.

Mas a população da Trofa continuou sem metro, enquanto a ligação à Póvoa foi inaugurada a 18 de março de 2006.

Em dezembro de 2009 foi lançado o concurso público internacional para a linha da Trofa que acabou por ser suspenso em setembro de 2010.

Recentemente, em outubro do ano passado, foi anunciado que a Linha Verde do metro do Porto vai estender-se, através da Maia, até à Trofa com a criação de duas estações, num projeto de cerca de 36,7 milhões de euros, mas a população do Muro continua a manifestar muitas dúvidas.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.