sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Alegre exige que Nóvoa corrija o que disse

O "histórico" socialista Manuel Alegre exigiu hoje ao candidato presidencial Sampaio da Nóvoa que corrija a afirmação que proferiu de que a sua candidatura foi a primeira de um independente a ultrapassar um milhão de votos.

MIGUEL A. LOPES

No seu discurso na noite eleitoral de domingo, o ex-reitor da Universidade de Lisboa, citado pela edição online do "Expresso", declarou que, "pela primeira vez na nossa democracia, um candidato independente ultrapassou os 20 por cento e alcançou um milhão de votos".

Ora, segundo Manuel Alegre, em 2006, a sua primeira candidatura presidencial, que não tinha o apoio de nenhuma força política, obteve 21 por cento, cerca de 1,2 milhões de votos.

"Não é verdade o que Sampaio da Nóvoa anda a dizer. Tem de haver rigor e memória histórica", protestou o ex-candidato presidencial.

De acordo com Manuel Alegre, na História da democracia portuguesa, a primeira "candidatura cidadã foi a de Maria de Lurdes Pintassilgo, uma grande mulher política, em 1986, com 7,5 por cento dos votos".

"A seguir foi a minha candidatura em 2006, com o lema 'O poder dos cidadãos', tendo como opositor Mário Soares, fundador do PS e apoiado pelo partido. Não se pode pretender fazer História esquecendo a História que está para trás. Há várias coisas em que se pode tentar dar a volta, mas não aos registos dos resultados oficiais", disse, numa crítica ao ex-reitor da Universidade de Lisboa.

Manuel Alegre também recusou a Sampaio da Nóvoa o estatuto de candidato independente nas eleições para Presidente da República.

"Ao contrário do que aconteceu comigo em 2006, ele [Sampaio da Nóvoa] teve o apoio dos principais dirigentes do PS e da maioria dos membros do Governo. Ele, portanto, que faça o favor de corrigir, caso contrário corrijo-o eu. Corrijo eu com os números do Ministério da Administração Interna", acrescentou o "histórico" socialista.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52