sicnot

Perfil

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Presidenciais 2016

Bloco de Esquerda culpa "ambiguidade" do PS pela vitória de Marcelo

O Bloco de Esquerda considerou hoje que a vitória logo à primeira volta de Marcelo Rebelo de Sousa nas eleições presidenciais visa a "recomposição do Bloco Central" e apontou a "ambiguidade" do PS como causa deste resultado.

ANT\303\223NIO COTRIM

Estas foram algumas das principais linhas da análise feita pela Mesa Nacional do Bloco de Esquerda aos resultados das eleições presidenciais do passado domingo - um ato eleitoral que, por outro lado, também levou os "bloquistas" a congratularem-se por a sua candidata, Marisa Matias, ter ficado em terceiro lugar, com 10,1% dos votos.

Se a candidatura de Marisa Matias cumpriu todos os objetivos políticos e estratégicos a que se propôs, o Bloco de Esquerda fez uma análise completamente oposta em relação aos candidatos da área do PS, Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém, assim como à atuação do PS.

"Este resultado deve-se em grande medida à ambiguidade do PS. Ao não apresentar candidato próprio, nem apoiando nenhuma candidatura, o PS não foi capaz de mobilizar o seu eleitorado", sustentou o Bloco de Esquerda.

Já em relação à candidatura de Edgar Silva, apoiada pelo PCP, que se ficou pelos 3,9% dos votos, a Mesa Nacional do Bloco de Esquerda fez a seguinte leitura: "A campanha do candidato do PCP, Edgar Silva, posicionou-se sem ambiguidades do lado da defesa do Estado Social e dos direitos dos trabalhadores e contribuiu para uma mobilização importante, ainda que insuficiente, do eleitorado à esquerda".

Para o Bloco de Esquerda, o Presidente da República eleito, Marcelo Rebelo de Sousa, fez uma campanha vazia de conteúdos "e evitou o confronto com o novo Governo".

"Mas esta vitória [de Marcelo Rebelo de Sousa] representa um dos projetos da direita em Portugal, o da recomposição do Bloco Central [PSD/PS]", advertiram os bloquistas.

Lusa

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.