sicnot

Perfil

Rio 2016

Brasil não foi informado de ameaça do Daesh à delegação francesa dos Jogos

A Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) não foi informada pelos serviços secretos franceses de que um brasileiro ligado ao Daesh estava a planear um atentado contra a delegação francesa durante os Jogos Olímpicos Rio2016.

© Sergio Moraes / Reuters

A informação consta de um relatório de oficiais de inteligência do governo francês divulgado hoje no site da Assembleia Nacional.

Segundo a imprensa, a informação foi passada pelo chefe da Direção de Inteligência Militar, general Christophe Gomart, durante uma audiência a 26 de maio na Comissão Parlamentar de Luta contra o Terrorismo que investiga os atentados de 2015 em França.

"Ainda não, hoje não", respondeu o diretor-geral da ABIN, Wilson Roberto Trezza, quando lhe perguntaram se recebeu esse relatório, durante uma conferência de imprensa sobre as medidas que estão a ser tomadas para garantir a segurança durante os Jogos.

"Não posso assegurar o que houve para que ele tivesse divulgado e não tivesse falado connosco ainda, mas certamente nós vamos sentar-nos para conversar sobre isso", disse, frisando que os serviços secretos dos dois países têm tido conversações permanentes.

Antes de a informação ter sido divulgada na conferência de imprensa, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Westphalen Etchegoyen, já tinha respondido, relativamente a ameaças contra a delegação francesa, de que nenhuma delegação teria um tratamento especial.

O diretor de contrainteligência da ABIN, David Bernardes, esclareceu que a ABIN desceu o nível de alerta específico para terrorismo, que em maio era de quatro (numa escala de um a cinco), após terem sido tomadas medidas de segurança.

"Quando o nível de proteção é adequado, o nível de alerta diminui", acrescentou, sem avançar, no entanto, o nível atual.

O diretor-geral da ABIN, que antes tinha começado por dizer que não havia um nível de alerta, depois acabou por explicar que se tratava de algo específico, não existindo no Brasil um nível geral para informar a população quanto a ameaças terroristas, como acontece noutros países.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional acrescentou que o nível quatro deveu-se igualmente ao facto de maio ter sido um mês com "uma série de atentados terroristas no mundo".

Essa situação, acrescentou, levou as autoridades a aumentarem o alerta no Brasil, porque não existem outros elementos, como, por exemplo, uma "célula identificada" ou um terrorista que tenha entrado no país.

Em junho, a ABIN confirmou que estava a monitorizar um conjunto de pessoas que comunicam em português num grupo do Daesh no serviço de mensagens instantâneas Telegram.

O diretor-geral da ABIN não respondeu a várias perguntas sobre ameaças e não reconheceu, por exemplo, o número de uma centena de 'lobos solitários' com potencial para cometer atos de violência, incluindo terrorismo, no país, informação que tinha sido avançada pelo jornal brasileiro Globo, que cita um relatório da ABIN.

São esperados 10.500 atletas de 206 países para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que decorrem de 5 a 21 de agosto.

Com Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.