sicnot

Perfil

Rio 2016

MP brasileiro acusa 14 pessoas por mortes em queda de ciclovia

O Ministério Público do Rio de Janeiro anunciou na terça-feira à noite que acusou 14 pessoas por homicídio involuntário, devido à queda de um troco da ciclovia construída para os Jogos Olímpicos na cidade, que fez dois mortos.

Fernando Maia

A 21 de abril, um troço da ciclovia Tim Maia abateu devido à forte ondulação, fazendo menos dois mortos.

Sete dos acusados são funcionários da Fundação Instituto de Geotécnica, entidade municipal ligada à Secretaria de Obras e responsável pelo projeto básico e pela fiscalização da obra.

Quatro dos acusados por homicídio involuntário são funcionários do consórcio Contemat-Concrejato, que construiu a ciclovia, e outros dois estão ligados à Engemolde Engenharia, contratada pelo consórcio para construir pilares.

Um outroé sócio de uma das empresas que participaram da obra.

O engenheiro da Defesa Civil do município do Rio de Janeiro que tido sido indiciado pela Polícia Civil foi considerado inocente e não foi denunciado pelos promotores.

Se condenados, os indiciados podem cumprir penas de dois a oito anos de cadeia.

O novo troço de ciclovia, com 3,9 quilómetros, foi inaugurado em janeiro e custou 45 milhões de reais (10,6 milhões de euros).

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida