sicnot

Perfil

Rio 2016

Russos dizem que suspensão do Rio 2016 é decisão "sem fundamento"

© Bruno Kelly / Reuters

O ministro russo dos Desportos, Vitali Mutko, considerou hoje a rejeição do recurso à suspensão imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), que confirma a ausência dos Jogos Olímpicos Rio 2016, uma "decisão politica" e "sem fundamento jurídico".

O Tribunal Arbitral dos Desportos (TAS), em comunicado, confirmou "a validade da decisão da IAAF de aplicar as regras, segundo as quais os atletas de uma federação que esteja suspensa pela IAAF são inelegíveis para competições organizados sob as regras da IAAF".

"Só posso expressar a minha deceção. Vamos pensar sobre os próximos passos. Eu acho que é uma decisão subjetiva, política e sem base jurídica", disse o ministro russo Vitali Mutko à agência de notícias TASS, após conhecida a decisão de afastar o atletismo russo do Rio 2016.

O Kremlin também já expressou o seu "profundo pesar" pela decisão do TAS, considerando inaceitável a ideia de responsabilização coletivamente que está patente na proibição de participação da equipa de atletismo russa no Rio 2016.

"Nós só podemos expressar o nosso profundo pesar", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, reagindo ao comunicado do TAS, que confirma a ausência do atletismo russo dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

A federação russa e 68 atletas tinham recorrido da decisão da IAAF de suspender o atletismo russo de todas as provas, incluindo os Jogos Olímpicos, na sequência de um relatório independente da Agência Mundial Antidopagem (AMA), que revelou um sistema de dopagem apoiado pelo governo.

Os 67 atletas russos, cuja defesa foi feita pela saltadora Yelena Isinbayeva, tinham também recorrido para o TAS da decisão da IAAF de impedir que participassem no Rio 2016 como independentes.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.