sicnot

Perfil

Rio 2016

Russos dizem que suspensão do Rio 2016 é decisão "sem fundamento"

© Bruno Kelly / Reuters

O ministro russo dos Desportos, Vitali Mutko, considerou hoje a rejeição do recurso à suspensão imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), que confirma a ausência dos Jogos Olímpicos Rio 2016, uma "decisão politica" e "sem fundamento jurídico".

O Tribunal Arbitral dos Desportos (TAS), em comunicado, confirmou "a validade da decisão da IAAF de aplicar as regras, segundo as quais os atletas de uma federação que esteja suspensa pela IAAF são inelegíveis para competições organizados sob as regras da IAAF".

"Só posso expressar a minha deceção. Vamos pensar sobre os próximos passos. Eu acho que é uma decisão subjetiva, política e sem base jurídica", disse o ministro russo Vitali Mutko à agência de notícias TASS, após conhecida a decisão de afastar o atletismo russo do Rio 2016.

O Kremlin também já expressou o seu "profundo pesar" pela decisão do TAS, considerando inaceitável a ideia de responsabilização coletivamente que está patente na proibição de participação da equipa de atletismo russa no Rio 2016.

"Nós só podemos expressar o nosso profundo pesar", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, reagindo ao comunicado do TAS, que confirma a ausência do atletismo russo dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

A federação russa e 68 atletas tinham recorrido da decisão da IAAF de suspender o atletismo russo de todas as provas, incluindo os Jogos Olímpicos, na sequência de um relatório independente da Agência Mundial Antidopagem (AMA), que revelou um sistema de dopagem apoiado pelo governo.

Os 67 atletas russos, cuja defesa foi feita pela saltadora Yelena Isinbayeva, tinham também recorrido para o TAS da decisão da IAAF de impedir que participassem no Rio 2016 como independentes.

Lusa

  • Família Aveiro na inauguração do Aeroporto Cristiano Ronaldo
    2:34

    País

    A decisão de dar o nome de Cristiano Ronaldo ao aeroporto da Madeira divide opiniões. Contudo, na cerimónia de inauguração desta quarta-feira só se ouviram aplausos. Os madeirenses juntaram-se à porta do aeroporto para ver e receber o melhor jogador do mundo. Também a família do jogador esteve na Madeira para apoiar Ronaldo.

  • A (polémica) mudança de nome do aeroporto da Madeira
    2:00

    País

    O aeroporto da Madeira é desde esta quarta-feira aeroporto Cristiano Ronaldo. O Presidente da República e o primeiro-ministro estiveram juntos na homenagem ao futebolista. A alteração não é consensual entre os madeirenses.

  • O busto de Ronaldo que virou piada no mundo inteiro
    2:04

    País

    No dia em que foi formalizado o novo nome do aeroporto da Madeira, foi também conhecido o busto em bronze de Cristiano Ronaldo e que, desde logo, começou a provocar reações em todo o mundo. As críticas da imprensa internacional não são propriamente positivas e a internet aproveitou para dar contornos humorísticos à criação.

  • Os seus descontos para a Segurança Social estão em ordem?
    7:50
    Contas Poupança

    Contas Poupança

    4ª FEIRA JORNAL DA NOITE

    Os portugueses estão cada vez mais preocupados com a reforma. O valor que se vai receber depende dos descontos que se fizerem para a Segurança Social. Mas há contabilistas que cometem burlas com o dinheiro dos clientes, há esquecimentos, e empresas que deixam de pagar as contribuições por falta de verbas. O Contas Poupança explica-lhe como pode ver neste instante se todos os seus descontos estão nos cofres da Segurança Social, e corrigir algum erro antes que seja tarde demais.

  • "Não há razão para fingirmos que hoje é um dia feliz"
    1:55

    Brexit

    Depois de receber esta quarta-feira a notificação do Brexit, o presidente do Conselho Europeu antecipou negociações difíceis. Donald Tusk diz que agora é preciso minimizar os prejuízos para os cidadãos europeus e para as empresas.

  • "Não há recuo possível"
    2:30

    Brexit

    O processo de saída do Reino Unido da União Europeia começou esta quarta-feira, com a ativação do artigo 50.º do Tratado de Lisboa. A notificação de Theresa May foi feita por carta a Donald Tusk e a primeira-ministra disse que não recuo possível. O processo de negociações levará dois anos e a saída do Reino Unido da União Europeia ficará concluída em 2019.