sicnot

Perfil

Rio 2016

Suspeitos de terrorismo no Brasil comunicavam através das redes sociais

Os 12 suspeitos de terrorismo identificados hoje no Brasil comunicavam sobretudo através de redes sociais e do serviço de troca de mensagens instantâneas Telegram, anunciou a Procuradoria da República no Paraná.

"O contato entre os indivíduos dava-se essencialmente por meio de redes sociais, Telegram e demais modos de comunicação virtual, espaço no qual também divulgavam ideais extremistas e de perseguição religiosa, racial e de género", lê-se num comunicado.

Através de quebra de sigilo telefónico e de dados, "constatou-se a tentativa de organização do grupo para promoção de atos terroristas durante os Jogos Olímpicos Rio 2016", confirmou a Procuradoria.

A operação policial terminou com a expedição de "12 mandados de prisão temporária, com duração de 30 dias, prorrogáveis uma vez por igual período", informou ainda a Procuradoria.

Esta manhã, o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, anunciou que 10 deles já foram detidos.

Para além de alguns deles terem "realizado o batismo ao [grupo 'jihadista'] Estado Islâmico, juramento de fidelidade exigido pela organização terrorista para o acolhimento de novos membros", havia "outros graves indícios" que "demonstraram a imprescindibilidade da prisão temporária decretada", justificou a entidade.

Segundo a Procuradoria, a medida foi tomada "para garantir a segurança e paz pública necessárias à realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016", que decorrem de 05 a 21 de agosto no Rio de Janeiro.

A Procuradoria esclareceu ainda que, "embora se tenha constatado indícios de atos preparatórios pelo grupo, não houve notícia de atos concretos para a realização de ataque terrorista".

"As provas colhidas até o momento possibilitam o enquadramento dos investigados, no mínimo, nos tipos penais que estipulam 'promover' ou 'integrar' organização terrorista como crime", explicou o procurador da República responsável pelo caso, Rafael Brum Miron.

Entre as principais provas, há uma comunicação na qual "um dos integrantes do grupo conclama interessados a organizarem-se para prestar apoio ao [grupo extremista] Estado Islâmico (EI) com treinamento já em território brasileiro", lê-se no comunicado.

Foram igualmente identificadas mensagens relacionadas à possibilidade de se aproveitar o momento do maior evento desportivo do mundo para a realização de ato terrorista.

Em meados de junho, a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) confirmou estar a monitorizar um conjunto de pessoas, que comunicam em português, criado pelo EI no Telegram.

Na segunda-feira, a especialista norte-americana em contra terrorismo Rita Katz também alertou que um grupo extremista brasileiro declarou lealdade ao EI e criou um canal no Telegram.

O grupo, autodesignado Ansar al-Khilafah Brazil, destacou que "se a polícia francesa não consegue deter ataques dentro do seu território, o treino dado à polícia brasileira não servirá em nada".

Na quarta-feira, Rita Katz avisou que extremistas islâmicos publicaram no Telegram recomendações de 17 técnicas para atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos.

As técnicas citadas passam por atentados a "aeroportos e meios de transporte públicos, esfaqueamento, envenenamento, sequestro de reféns e falsas ameaças".

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57