sicnot

Perfil

Rio 2016

Suspeitos de terrorismo no Brasil comunicavam através das redes sociais

Os 12 suspeitos de terrorismo identificados hoje no Brasil comunicavam sobretudo através de redes sociais e do serviço de troca de mensagens instantâneas Telegram, anunciou a Procuradoria da República no Paraná.

"O contato entre os indivíduos dava-se essencialmente por meio de redes sociais, Telegram e demais modos de comunicação virtual, espaço no qual também divulgavam ideais extremistas e de perseguição religiosa, racial e de género", lê-se num comunicado.

Através de quebra de sigilo telefónico e de dados, "constatou-se a tentativa de organização do grupo para promoção de atos terroristas durante os Jogos Olímpicos Rio 2016", confirmou a Procuradoria.

A operação policial terminou com a expedição de "12 mandados de prisão temporária, com duração de 30 dias, prorrogáveis uma vez por igual período", informou ainda a Procuradoria.

Esta manhã, o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, anunciou que 10 deles já foram detidos.

Para além de alguns deles terem "realizado o batismo ao [grupo 'jihadista'] Estado Islâmico, juramento de fidelidade exigido pela organização terrorista para o acolhimento de novos membros", havia "outros graves indícios" que "demonstraram a imprescindibilidade da prisão temporária decretada", justificou a entidade.

Segundo a Procuradoria, a medida foi tomada "para garantir a segurança e paz pública necessárias à realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016", que decorrem de 05 a 21 de agosto no Rio de Janeiro.

A Procuradoria esclareceu ainda que, "embora se tenha constatado indícios de atos preparatórios pelo grupo, não houve notícia de atos concretos para a realização de ataque terrorista".

"As provas colhidas até o momento possibilitam o enquadramento dos investigados, no mínimo, nos tipos penais que estipulam 'promover' ou 'integrar' organização terrorista como crime", explicou o procurador da República responsável pelo caso, Rafael Brum Miron.

Entre as principais provas, há uma comunicação na qual "um dos integrantes do grupo conclama interessados a organizarem-se para prestar apoio ao [grupo extremista] Estado Islâmico (EI) com treinamento já em território brasileiro", lê-se no comunicado.

Foram igualmente identificadas mensagens relacionadas à possibilidade de se aproveitar o momento do maior evento desportivo do mundo para a realização de ato terrorista.

Em meados de junho, a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) confirmou estar a monitorizar um conjunto de pessoas, que comunicam em português, criado pelo EI no Telegram.

Na segunda-feira, a especialista norte-americana em contra terrorismo Rita Katz também alertou que um grupo extremista brasileiro declarou lealdade ao EI e criou um canal no Telegram.

O grupo, autodesignado Ansar al-Khilafah Brazil, destacou que "se a polícia francesa não consegue deter ataques dentro do seu território, o treino dado à polícia brasileira não servirá em nada".

Na quarta-feira, Rita Katz avisou que extremistas islâmicos publicaram no Telegram recomendações de 17 técnicas para atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos.

As técnicas citadas passam por atentados a "aeroportos e meios de transporte públicos, esfaqueamento, envenenamento, sequestro de reféns e falsas ameaças".

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.