sicnot

Perfil

Rio 2016

Tribunal arbitral do Desporto afasta atletas russos dos Jogos Olímpicos

© Jim Young / Reuters

O Tribunal Arbitral do Desporto rejeitou o recurso dos atletas russos suspensos pela Associação Internacional das Federações de Atletismo, devido ao polémico sistema de doping apoiado pelo Kremlin. Desta forma, continuam impedidos de participar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

"O painel do TAS confirmou a validade da decisão da IAAF de aplicar as regras (...), segundo as quais os atletas de uma federação que esteja suspensa pela IAAF são inelegíveis para competições organizados sob as regras da IAAF", lê-se num comunicado.

A federação russa e 68 atletas tinham recorrido da decisão da IAAF de suspender o atletismo russo de todas as provas, incluindo os Jogos Olímpicos, na sequência de um relatório independente da Agência Mundial Antidopagem (AMA), que revelou um sistema de dopagem apoiado pelo governo.

A Rússia já lamentou a decisão do TAS. O ministro dos Desportos, Vitali Mutko, considera que se trata de uma "decisão politica" e "sem fundamento jurídico".

Por sua vez, o IAAF congratula-se com o afastamento dos atletas russos.

Atletas que treinam fora da Rússia poderão ir ao Rio 2016

Um total 67 atletas, entre os quais Yelena Isibayeva, recordista mundial do salto com vara, tinham também recorrido da decisão da IAAF de impedir que participassem no Rio 2016 como independentes.

Contudo, o TAS considera que o Comité Olímpico Russo (COR) poderá apresentar elementos do atletismo na sua equipa para o Rio2016, desde que estes cumpram as regras da IAAF, como são os casos de Darya Klishina (salto em comprimento) e Ioulia Stepanova (800 metros), que treinam fora da Rússia.

O TAS disse ainda não ter jurisdição para definir se o Comité Olímpico Internacional poderá aceitar ou recusar atletas apresentados pelo COR.

Última atualização às 11:35/Com Lusa

  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05