sicnot

Perfil

Rio 2016

Suspeitos de terrorismo nos Olímpicos em prisão de segurança máxima

​Os dez detidos na quinta-feira no Brasil, por suposta ligação ao Estado Islâmico e que alegadamente estariam a preparar ataques durante os Jogos Olímpicos, foram hoje transferidos para uma prisão de segurança máxima em Mato Grosso do Sul.

Nos próximos 20 dias, os detidos estarão no Regime Disciplinar Diferenciado na Prisão Federal de Campo Grande, ficando isolados uns dos outros e sem contacto com outros detidos.

A operação policial de quinta-feira terminou com a expedição de "12 mandados de prisão temporária, com duração de 30 dias, prorrogáveis uma vez por igual período", informou a Procuradoria da República no Paraná. Existem ainda outros dois suspeitos de terrorismo foragidos.

Através da quebra de sigilo telefónico e de dados, "constatou-se a tentativa de organização do grupo para promoção de atos terroristas durante os Jogos Olímpicos Rio2016", confirmou a Procuradoria.

A mesma fonte informou que alguns deles realizaram o batismo ao grupo jihadista Estado Islâmico, juramento de fidelidade exigido pela organização terrorista para o acolhimento de novos membros.

Apesar das intenções de ataques, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, classificou o grupo de "amador".

Na quarta-feira, a especialista norte-americana em contra-terrorismo Rita Katz avisou que extremistas islâmicos publicaram no serviço de troca de mensagens Telegram recomendações de 17 técnicas para atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos.

As técnicas citadas passam por atentados a "aeroportos e meios de transporte públicos, esfaqueamento, envenenamento, sequestro de reféns e falsas ameaças".

Os Jogos Olímpicos decorrem de 5 a 21 de agosto no Rio de Janeiro.

Lusa

  • Manifestação contra resultados do partido alemão de Extrema-Direita
    0:39
  • Ciclista Peter Sagan tricampeão do mundo

    Desporto

    O eslovaco Peter Sagan deixou este domingo mais uma marca na história do ciclismo, ao sagrar-se campeão do mundo de fundo pela terceira vez consecutiva, uma proeza inédita para norueguês ver e lamentar.