sicnot

Perfil

Rio 2016

Amnistia protesta com sacos fúnebres em frente ao comité olímpico

A Amnistia Internacional realizou um protesto com 40 sacos fúnebres em frente ao comité organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016, para lembrar as pessoas mortas em ações policiais em maio.

© Ricardo Moraes / Reuters

"Em anos de megaeventos desportivos, há um aumento expressivo do número de pessoas mortas pela Polícia Militar do Rio", alertou a investigadora da Amnistia Internacional para a segurança pública, Renata Neder.

A ativista deu os exemplos da violência registada em 2007, quando a cidade acolheu os Jogos Pan-Americanos, e em 2014, ano do Campeonato do Mundo de futebol.

"Em 2014, o número foi 40% maior em relação a 2013. E agora, com a aproximação dos Jogos Olímpicos, vemos essa tendência aumentar", alertou.

De janeiro a maio deste ano, foram assassinadas por agentes públicos de segurança na cidade 151 pessoas, 40 das quais em maio, o que representa um aumento de 135% em relação ao mesmo mês de 2015.

A organização de defesa de direitos humanos alertou para a tática de "atirar primeiro e perguntar depois", associada ao abuso da força e à impunidade.

A Amnistia protocolou no Comité uma petição, com 120 mil assinaturas de pessoas de 15 países, pedindo à Rio2016 que previna o uso desnecessário da força policial, evite violações de direitos e investigue denúncias de abusos.

Os Jogos Olímpicos têm lugar na cidade carioca de 5 a 21 de agosto.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.