sicnot

Perfil

Rio 2016

Amnistia protesta com sacos fúnebres em frente ao comité olímpico

A Amnistia Internacional realizou um protesto com 40 sacos fúnebres em frente ao comité organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016, para lembrar as pessoas mortas em ações policiais em maio.

© Ricardo Moraes / Reuters

"Em anos de megaeventos desportivos, há um aumento expressivo do número de pessoas mortas pela Polícia Militar do Rio", alertou a investigadora da Amnistia Internacional para a segurança pública, Renata Neder.

A ativista deu os exemplos da violência registada em 2007, quando a cidade acolheu os Jogos Pan-Americanos, e em 2014, ano do Campeonato do Mundo de futebol.

"Em 2014, o número foi 40% maior em relação a 2013. E agora, com a aproximação dos Jogos Olímpicos, vemos essa tendência aumentar", alertou.

De janeiro a maio deste ano, foram assassinadas por agentes públicos de segurança na cidade 151 pessoas, 40 das quais em maio, o que representa um aumento de 135% em relação ao mesmo mês de 2015.

A organização de defesa de direitos humanos alertou para a tática de "atirar primeiro e perguntar depois", associada ao abuso da força e à impunidade.

A Amnistia protocolou no Comité uma petição, com 120 mil assinaturas de pessoas de 15 países, pedindo à Rio2016 que previna o uso desnecessário da força policial, evite violações de direitos e investigue denúncias de abusos.

Os Jogos Olímpicos têm lugar na cidade carioca de 5 a 21 de agosto.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.