sicnot

Perfil

Rio 2016

Amnistia protesta com sacos fúnebres em frente ao comité olímpico

A Amnistia Internacional realizou um protesto com 40 sacos fúnebres em frente ao comité organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016, para lembrar as pessoas mortas em ações policiais em maio.

© Ricardo Moraes / Reuters

"Em anos de megaeventos desportivos, há um aumento expressivo do número de pessoas mortas pela Polícia Militar do Rio", alertou a investigadora da Amnistia Internacional para a segurança pública, Renata Neder.

A ativista deu os exemplos da violência registada em 2007, quando a cidade acolheu os Jogos Pan-Americanos, e em 2014, ano do Campeonato do Mundo de futebol.

"Em 2014, o número foi 40% maior em relação a 2013. E agora, com a aproximação dos Jogos Olímpicos, vemos essa tendência aumentar", alertou.

De janeiro a maio deste ano, foram assassinadas por agentes públicos de segurança na cidade 151 pessoas, 40 das quais em maio, o que representa um aumento de 135% em relação ao mesmo mês de 2015.

A organização de defesa de direitos humanos alertou para a tática de "atirar primeiro e perguntar depois", associada ao abuso da força e à impunidade.

A Amnistia protocolou no Comité uma petição, com 120 mil assinaturas de pessoas de 15 países, pedindo à Rio2016 que previna o uso desnecessário da força policial, evite violações de direitos e investigue denúncias de abusos.

Os Jogos Olímpicos têm lugar na cidade carioca de 5 a 21 de agosto.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46