sicnot

Perfil

Rio 2016

Empresa de segurança rompe contrato a uma semana do Rio 2016

A empresa Artel Recursos Humanos, contratada para prestar o serviço de revista nos locais de competição dos Jogos Olímpicos e na Aldeia Olímpica, no Rio de Janeiro, rescindiu o contrato.

Eram necessários mais de 3.000 agentes privados para o serviço, mas tinham sido contratados apenas 500, por a empresa não ter dinheiro para contratar pessoal.

A rescisão acontece numa altura em que várias delegações olímpicas já estão na cidade 'carioca' para o maior evento desportivo do mundo, que começa dentro de uma semana.

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, adiantou que a empresa "será multada e responsabilizada, por essa, não só, incompetência, mas por essa irresponsabilidade de cadastrar 3.000 pessoas e de apenas chamar 500, alegando dificuldades financeiras".

De acordo com o governante, que falava hoje no Rio de Janeiro, vão ficar responsáveis pelo serviço agentes da Força Nacional de Segurança, incluindo militares aposentados nos últimos cinco anos, que já estavam cadastrados.

"Os Jogos Olímpicos não sofrerão nenhum prejuízo, porque será uma substituição melhor, por policiais militares que se incorporarão à Força Nacional e realizarão, em conjunto, 100% da segurança dos locais olímpicos", frisou.

Alexandre de Moraes recordou que, inicialmente, a Força Nacional faria apenas a segurança em áreas externas, mas depois recebeu a atribuição de atuar dentro das áreas olímpicas, fazendo a segurança interna, e agora assume também as revistas.

O ministro sugeriu ainda ao Comité Olímpico que, nas próximas competições, reveja a necessidade de contratação de uma empresa privada para a segurança das arenas.

De acordo com o governante, nos últimos Jogos Olímpicos, em Londres, o mesmo problema foi detetado com 30 dias de antecedência e forças militares inglesas acabaram igualmente por assumir a função.

Os Jogos Olímpicos Rio2016 têm lugar de 05 a 21 de agosto e a segurança tem sido uma das maiores preocupações, não só devido ao crescente fenómeno de terrorismo no mundo, mas também à criminalidade violenta existente no Brasil.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.