sicnot

Perfil

Rio 2016

Federação Internacional de Halterofilismo exclui oito atletas russos dos Olímpicos

A Federação Internacional de Halterofilismo (FIH) anunciou esta sexta-feira a exclusão da equipa russa, composta por oito atletas, dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, de 05 a 21 de agosto.

"A integridade do halterofilismo foi múltiplas vezes lesada de forma séria pelos russos, pelo que se impunha uma sanção apropriada para preservar o estatuto do desporto", indicou em comunicado a FIH.

Os oito atletas em causa são Oleg Chen, Adam Maligov, Ruslan Albegov, David Bedzhnyan e Artem Okulov, entre os homens, e Tatiana Kashirina, Tima Turieva e Anastasia Romanova, nas mulheres.

De acordo com um relatório independente da Agência Mundial Antidopagem (AMA) divulgado na semana passada, o Governo russo dirigiu um programa de dopagem no desporto com apoio estatal, com participação ativa do ministro dos Desportos e dos serviços secretos.

O relatório do professor canadiano Richard McLaren refere que o programa "à prova de falhas" foi colocado em prática pelos responsáveis russos, inclusivamente durante os Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014.

De acordo com o documento, o ministro dos desportos da Rússia, Vitaly Mutko, teve "participação ativa" neste sistema, que teve a assistência dos serviços secretos nos laboratórios antidopagem de Moscovo e Sochi.

No domingo, o Comité Olímpico Internacional (COI) entregou às federações de modalidades a decisão de aceitar ou excluir atletas russos nas competições dos Jogos Olímpicos Rio2016.

O comité executivo do COI estabeleceu uma série de pressupostos que os atletas devem cumprir para poderem ser elegíveis pelas federações de modalidade, dos quais se destaca a necessidade de não terem tido qualquer resultado positivo por doping ao longo da carreira.

Os atletas russos que forem admitidos pelas federações e posteriormente aceites pelo COI devem submeter-se a um rigoroso controlo antidoping realizado pela Agência Mundial Antidopagem, e supervisionado pelas federações internacionais.

Os atletas têm também, segundo o COI, de ter efetuado recentemente testes sob a égide de organismos internacionais devidamente acreditados.

Na sequência da diretiva do COI, 117 dos 387 atletas que faziam parte da equipa nacional russa foram já banidos dos Jogos.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.