sicnot

Perfil

Rio 2016

Agência Antidopagem descarta responsabilidade sobre confusão com atletas russos

reuters

A Agência Mundial Antidopagem (AMA) reagiu hoje a críticas sobre responsabilidades na confusão que envolve a participação dos desportistas russos nos Jogos Olímpicos, a poucos dias do Rio 2016, afirmando que agiu assim que teve "provas corroboradas".

"A AMA compreende que o timing (18 de julho) da publicação do relatório McLaren foi desestabilizador para numerosas organizações", refere a agência em comunicado, comentando assim as críticas de Thomas Bach, presidente do Comité Olímpico Internacional, que, implicitamente, responsabilizava a organização sobre o atual estado das coisas.

Segundo a AMA, ela "agiu imediatamente em relação às alegações que visavam a Rússia, logo que dispôs de provas corroboradas e do poder de o fazer no quadro do Código Mundial Antidopagem".

Domingo, Bach tinha dito, por seu lado, que "o COI não é responsável pelo timing da publicação do relatório McLaren". Bach acrescentou que o COI "enviou várias informações à AMA há alguns anos, sem consequências", acrescentou.

"Apenas quando a CBS e o New York Times publicaram, a 8 e 12 de maio, as alegações do antigo diretor do laboratório de análises antidoping de Sochi, Grigory Rodchenkov, é que a AMA teve provas concretas que sugeriam o envolvimento do Estado russo e permitiram que se avançasse de imediato para o relatório McLaren", refere Craig Reedie, presidente da AMA, citado no comunicado.

Segundo o relatório McLaren, haveria uma situação de doping de Estado, o que determinou o COI a pedir, a 24 de julho, que as federações internacionais da modalidade excluíssem atletas russos dopados ou presumivelmente dopados.

De início com 387 atletas na delegação, a Rússia viu o seu contingente descer já para 266 atletas, em 29 modalidades. O total de atletas russos para o Rio 2016 só deverá ficar fixado na terça-feira.

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".