sicnot

Perfil

Rio 2016

Agência Antidopagem descarta responsabilidade sobre confusão com atletas russos

reuters

A Agência Mundial Antidopagem (AMA) reagiu hoje a críticas sobre responsabilidades na confusão que envolve a participação dos desportistas russos nos Jogos Olímpicos, a poucos dias do Rio 2016, afirmando que agiu assim que teve "provas corroboradas".

"A AMA compreende que o timing (18 de julho) da publicação do relatório McLaren foi desestabilizador para numerosas organizações", refere a agência em comunicado, comentando assim as críticas de Thomas Bach, presidente do Comité Olímpico Internacional, que, implicitamente, responsabilizava a organização sobre o atual estado das coisas.

Segundo a AMA, ela "agiu imediatamente em relação às alegações que visavam a Rússia, logo que dispôs de provas corroboradas e do poder de o fazer no quadro do Código Mundial Antidopagem".

Domingo, Bach tinha dito, por seu lado, que "o COI não é responsável pelo timing da publicação do relatório McLaren". Bach acrescentou que o COI "enviou várias informações à AMA há alguns anos, sem consequências", acrescentou.

"Apenas quando a CBS e o New York Times publicaram, a 8 e 12 de maio, as alegações do antigo diretor do laboratório de análises antidoping de Sochi, Grigory Rodchenkov, é que a AMA teve provas concretas que sugeriam o envolvimento do Estado russo e permitiram que se avançasse de imediato para o relatório McLaren", refere Craig Reedie, presidente da AMA, citado no comunicado.

Segundo o relatório McLaren, haveria uma situação de doping de Estado, o que determinou o COI a pedir, a 24 de julho, que as federações internacionais da modalidade excluíssem atletas russos dopados ou presumivelmente dopados.

De início com 387 atletas na delegação, a Rússia viu o seu contingente descer já para 266 atletas, em 29 modalidades. O total de atletas russos para o Rio 2016 só deverá ficar fixado na terça-feira.

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.