sicnot

Perfil

Rio 2016

Marchadora Inês Henriques quer ficar no Top 10

A marchadora portuguesa Inês Henriques manifestou esta terça-feira o desejo de ficar nos dez primeiros lugares na prova dos 20 quilómetros de marcha dos Jogos Rio2016, lembrando que conquistar uma medalha olímpica será muito complicado.

"Não vou falar em medalhas de forma nenhuma. As medalhas é algo que não é fácil conquistar, mas estou na partida e tudo pode acontecer. O meu grande objetivo são os dez primeiros. Se ficar em quarto não fico triste, era fantástico", começou por dizer a atleta e enfermeira, antes de uma homenagem da Ordem do Enfermeiros, em Lisboa.

A marchadora, de 36 anos, destacou o vasto conhecimento em provas desta importância, confessando estar impressionada com a resposta do seu corpo.

"Será a minha terceira participação (Jogos Olímpicos). Em 2004 (Atenas) fui 25.ª, em 2012 (Londres) fui 15.ª e já tenho muitos anos de experiência. O meu corpo este ano surpreendeu-me muito. Já bati o meu recorde pessoal três vezes, em que duas foram consecutivas", explicou.

Inês Henriques frisou ainda que "é ambiciosa, quer sempre mais", salientando a necessidade "ter alguma contenção pois os seres humanos não são máquinas". ,

"A preparação tem sido muito boa. Tenho conseguido fazer treinos melhor do que nunca e, muitas vezes, não vou ao limite. Sinto que tenho que ter alguma calma. Eu podia insistir e tentar ainda mais, mas é melhor ir pelo seguro e, se insistir mais, posso estragar", reiterou.

Relativamente à segurança da competição e da organização da aldeia olímpica, a atleta admitiu estar receosa, preferindo manter-se afastada dos locais mais povoados.

"Vou partir mais tarde e essas situações devem estar resolvidas quando eu chegar. O que tenho mais receio é em termos de segurança e espero que não haja problemas. Os atentados metem-me muito respeito porque, sem dúvida nenhuma, nos Jogos Olímpicos estão pessoas de todo o mundo e pode ser um alvo. Não quero estar em aglomerados para estar mais tranquila", alertou.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59