sicnot

Perfil

Rio 2016

Estádio Olímpico continua em acabamentos a dois dias do Rio 2016

O Estádio Olímpico João Havelange, palco do atletismo e alguns jogos do torneio de futebol, está um pouco como tudo o resto no Rio2016, em acabamentos, apesar de a competição já estar em marcha.

O embate entre Suécia e África do Sul, do Grupo E do torneio feminino de futebol, marca o regresso da 'casa' do Botafogo aos jogos de futebol 248 dias após o último, a receção do 'alvinegro' ao América, para a Série B do 'Brasileirão'.

Depois desse encontro, disputado a 28 de novembro de 2015, o Engenhão entrou para obras de remodelação e de aumento de capacidade, de menos de 45.000 espetadores para os atuais 60.000, com vista aos Jogos Olímpicos Rio2016.

O futebol está de regresso, mas a infraestrutura parece ainda em preparativos, a tentar estar pronta para uma competição que já arrancou.

Nas bancadas, os voluntários usam esferovite cor-de-rosa para tapar parafusos que estão à mostra e ameaçam lesionar alguém mais desprevenido, enquanto, um pouco por todo o interior do estádio, são visíveis equipas de manutenção.

Os problemas atingem as zonas de alimentação, onde só se consegue pagar com reais, com moedas ou notas, já que os cartões de crédito ou de débito não funcionam, alegadamente porque alguém se esqueceu de colocar uma palavra-passe nas máquinas.

Quanto ao setor dos jornalistas, os lugares sobram - à espera do atletismo, de Usain Bolt -, tal como os televisores, para auxiliar no trabalho, só que não funcionam, devido um problema técnico aparentemente irresolúvel: não há imagem.

Apesar de a Cerimónia de Abertura estar marcada apenas para sexta-feira, no Estádio Maracanã, as provas já começaram, com o futebol, se bem que que o Suécia-África do Sul mais pareça um teste, para mostrar tudo a funcionar a 'meio gás'.

Os Jogos Olímpicos Rio2016 arrancaram hoje com este jogo, o primeiro do torneio feminino de futebol, mas, oficialmente, apenas começam na sexta-feira, dia em que se realiza a Cerimónia de Abertura.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.