sicnot

Perfil

Rio 2016

Músico que transportava tocha olímpica foi imobilizado pela polícia após protesto

O músico Tarcisio Carlos Rodrigues Gomes foi esta quarta-feira imobilizado por agentes da Força Nacional quando realizou um protesto insólito ao conduzir a tocha olímpica num percurso na zona portuária do Rio de Janeiro.

O músico de 31 anos, com os calções em baixo, exibia as palavras "Fora, Temer" nas nádegas expostas por um biquíni cavado.

O protesto era contra o Presidente interino, Michel Temer, que a 12 de maio substituiu Dilma Rousseff, a Presidente com mandato suspenso e alvo de um processo de destituição que tramita no Senado brasileiro.

Amigos do músico aplaudiram-no e gritaram palavras de ordem contra o chefe de Estado interino.

"É uma forma de protestar contra a 'cidade do medo' que vivemos durante os Jogos Olímpicos. Estamos sufocados", disse o produtor cultural Diogo Rodrigues, amigo do portador da tocha, citado pelo jornal Estado de São Paulo.

Segundo o mesmo jornal, a organização dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro informou que todos os portadores da tocha assinam um termo de compromisso e não podem fazer qualquer tipo de manifestação política, embora não estejam previstas sanções contra esse tipo de iniciativas.

Numa altura em que o país vive uma divisão política em torno do processo de afastamento de Dilma Rousseff, que será finalizado depois dos Jogos Olímpicos, a visibilidade internacional com a realização do maior evento desportivo do mundo na cidade 'carioca' tem sido usada para tentar passar mensagens políticas além-fronteiras.

Hoje de manhã, momento antes de a tocha olímpica passar em Duque de Caxias, um município do Estado do Rio de Janeiro, dezenas de funcionários da educação da rede municipal realizaram um protesto, interditando parcialmente uma avenida incluída no itinerário.

Em causa está o parcelamento de salário pago pela autarquia de Caxias e melhores condições na rede de ensino.

Segundo o diário Folha de São Paulo, para tentar abafar vaias ao discurso de Michel Temer na abertura dos Jogos Olímpicos, sexta-feira, a organização planeia aumentar o som de uma música ou do efeito sonoro de fundo no estádio Maracanã logo que o Presidente termine as suas palavras.

Os Jogos Olímpicos decorrem de sexta-feira a 21 de agosto, sendo a cerimónia de abertura um momento de destaque, também pela presença de dezenas de chefes de Estado de todo o mundo, incluindo o Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59