sicnot

Perfil

Rio 2016

Ainda há 1,2 milhões de bilhetes dos Olímpicos para vender

Reuters

O comité organizador dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro anunciou na quarta-feira que estão vendidos 80% dos bilhetes disponibilizados para todas as competições, números inferiores aos verificados há quatro anos, em Londres.

"Vendemos 4,9 milhões de bilhetes, cerca de 80% do total", disse à agência AFP um porta-voz do comité organizador dos Jogos, que começam na sexta-feira e terminam a 21 de agosto.

A poucas horas do início da competição, estão ainda disponíveis 1,2 milhões de bilhetes, alguns para as finais dos 100 e 200 metros de atletismo, que costumam ser das primeiras a esgotar.

Os números contrastam com os de há quatro anos, na edição de Londres, quando os bilhetes para as competições mais populares esgotaram antes do início da cerimónia de abertura.

Os ingressos mais baratos para as finais estão vendidos, mas nas bilheteiras ainda estão disponíveis os ingressos mais caros, cujos preços variam entre os 380 e os 1.200 reais (cerca de 827 e 1.268 euros).

Para a cerimónia de abertura, agendada para sexta-feira, no estádio do Maracanã, também ainda há bilhetes à venda, com preços que variam entre os 827 e os 1.268 euros.

Na quarta-feira, o estádio olímpico, conhecido como Engenhão, com capacidade para 60.000 espetadores, estava praticamente vazio no jogo de abertura do torneio olímpico de futebol entre a Suécia e a África do Sul.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.