sicnot

Perfil

Rio 2016

Bandeira portuguesa hasteada na Aldeia Olímpica ao som do hino nacional

LUSA

O hino nacional soou hoje na Aldeia Olímpica, na cerimónia do hastear da bandeira, um momento simbólico que congregou a delegação portuguesa num ambiente de descontração e emoção, em que nem as danças faltaram.

Vestidos de impermeável verde e calção preto, a quase totalidade dos elementos da comitiva nacional - os ausentes, como a judoca Telma Monteiro, a ginasta Filipa Martins ou os tenistas João Sousa e Gastão Elias, estavam a treinar - chegou à zona internacional da Aldeia Olímpica, a única a que os visitantes têm acesso, em 'procissão'.

Entre cumprimentos, sorrisos, foram-se alinhando para as fotos da praxe, em grupos de modalidades ou de cumplicidades. "Tu não consegues, tens o braço curto", brincou Nelson Évora, enquanto a 'pequenita' Marta Pen se punha em bicos dos pés para registar o momento, uma missão bem-sucedida, rematada com a frase "os chineses não falham".

INACIO ROSA / LUSA

Com 50 por cento dos campeões olímpicos nacionais presentes - além do campeão do triplo salto de Pequim2008, também Rosa Mota integrou a colorida comitiva nacional -, a cerimónia arrancou com um espetáculo de dança.

Bailarinos camuflados moveram-se ao som de novas roupagens de músicas popularizadas pelas telenovelas brasileiras, antes da ex-basquetebolista e dupla medalhada olímpica Janeth Arcain, a maestrina deste ensaiado ritual, acolher os atletas, com um discurso a lembrar a importância do 'fair-play' e a enaltecer a capacidade de nunca desistir.

Reunidos diante do palco, com a gigante delegação italiana do lado esquerdo, os portugueses esperaram ansiosos pelo hastear da bandeira nacional, enquanto viram erguer-se as de Andorra, República Democrática do Congo, Itália e Ilhas Marshall - a das ilhas Salomão foi a última a juntar-se à já hasteada bandeira do Comité Olímpico Internacional (COI).

LUSA

À chamada pelo Comité Olímpico de Portugal, responderam o Chefe de Missão, José Garcia, e a nadadora Tamila Holub, a mais jovem dos atletas lusos que vão estar nestes Jogos Olímpicos, com os dois a receberem um símbolo do Rio2016.

Era o sinal que faltava: assim que os acordes do hino começaram a ecoar na Aldeia Olímpica e que os pulmões se encheram de ar para entoar as palavras da identidade nacional - foram a única das seis delegações a fazer-se ouvir -, um batalhão de telemóveis agitou-se no ar para registar um momento que ficará na memória de todos.

Concluído o protocolo, com José Garcia a inscrever o nome de Portugal no 'Olympic Truce Mural', um painel de azulejos azul, verde e amarelo, a festa começou, com Rosa Mota a dançar juntamente com os bailarinos, numa celebração comum do espírito olímpico.

Quando os atletas começaram a dispersar - Nelson Évora ainda teve tempo para assinar autógrafos -, o velejador José Costa tornou-se o porta-voz da emoção nacional: "É especial (estar no hastear da bandeira). Nós, ao contrário de outras modalidades, só ouvimos o hino quando ganhamos. Sinto sempre um arrepio quando ouço 'A Portuguesa' e hoje também senti".

Lusa

INACIO ROSA / LUSA

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.