sicnot

Perfil

Rio 2016

Medalha olímpica é o sonho de João Sousa e Gastão Elias

ANTONIO COTRIM

Os tenistas portugueses João Sousa e Gastão Elias partilham o sonho de uma medalha olímpica, mas preferem pensar ganhar ronda a ronda no torneio olímpico do Rio 2016.

"A minha missão olímpica, como na vida, é dar o melhor de mim, dar tudo por tudo para vencer cada encontro disputado, com a responsabilidade de representar Portugal. Obviamente, uma medalha olímpica é o sonho de qualquer atleta, mas há que ser realista. No ténis, tudo pode acontecer e eu acho que é importante pensar encontro a encontro, com as expectativas altas, mas com os pés bem assentes na terra", resumiu João Sousa.

O número um nacional, que na primeira ronda do torneio olímpico vai defrontar o holandês Robin Haase, 62.º jogador mundial, defendeu que não há sorteios fáceis.

"Todos os jogadores aqui presentes têm mérito de aqui estar. Estar nuns Jogos Olímpicos não é para todos e vai ser, sem dúvida, um encontro difícil. É um jogador que conheço razoavelmente bem, porque já coincidi com ele várias vezes em torneios", explicou Sousa, revelando estar a adaptar-se bem às condições do Centro Olímpico de Ténis.

Caso vença Haase na primeira ronda, o 36.º jogador ATP poderá defrontar o número um mundial, o sérvio Novak Djokovic.

"O Djokovic é um dos melhores jogadores da história do meu desporto e seria, para mim, um privilégio, no caso de eu e ele vencermos, poder defrontá-lo nuns Jogos Olímpicos, num ambiente como este. Seria uma ótima notícia", assumiu em declarações à imprensa, na Aldeia Olímpica do Rio 2016.

Também Gastão Elias sonha chegar o mais longe possível no torneio olímpico de ténis, uma missão que "um sorteio positivo" - vai estrear-se contra o australiano Thanasi Kokkinakis (452.º), que entrou no quadro graças ao ranking protegido.

"Tinha outros jogadores bem mais complicados para apanhar na primeira ronda. Obviamente é um adversário perigoso, que esteve no top 100. Embora não jogue há algum tempo, vai ser um jogo perigoso. Este torneio é diferente de todos os outros. Acredito que seja mais um ambiente de Taça Davis do que de um torneio ATP. Acredito que ele vá ter muitos australianos a apoiá-lo e isso, muitas vezes, faz com que os jogadores subam de nível e isso pode-se tornar perigoso", analisou.

No entanto, se jogar a bom nível, o número dois nacional sabe que terá uma boa oportunidade de seguir em frente.

"A minha meta para o torneio não é uma meta, é um sonho, que seria a medalha. A este nível é muito difícil. Pode-se jogar muito bem e perder, portanto a minha meta vai ser dar o 100% e lutar até ao final. Depois aí, as vitórias vão aparecer ou não. Esperemos que, pelo menos, ganhe algumas rondas", confessou.

Gastão Elias, que na segunda-feira se tornou no terceiro melhor tenista nacional de sempre ao subir à 61.ª posição do ranking, rejeitou as críticas feitas aos courts do complexo, assegurando que está tudo impecável.

"Claro que nestes últimos dias estão a dar os últimos retoques, mas pareceu-me bastante bem. Nestes últimos dias, também treinámos com um bocadinho de vento e não foi fácil a adaptação. Mas hoje já foi bastante melhor, ate agora nada a reclamar", prosseguiu, admitindo que está a adorar os campos e as condições encontradas.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.