sicnot

Perfil

Rio 2016

Pokémon Go chega ao Brasil nas vésperas dos Jogos Olímpicos

© Kim Kyung Hoon / Reuters

O jogo Pokémon GO, que usa realidade aumentada para o usuário capturar 'monstros' através do telemóvel enquanto caminha, começou a funcionar no Brasil na quarta-feira, dois dias antes dos Jogos Olímpicos.

A chegada do jogo, que está a causar uma febre mundial, era esperada com grande expectativa pelos brasileiros e também por atletas dos Jogos Olímpicos 2016 que foram chegando ao Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos, que decorrem de sexta-feira a 21 de agosto.

Entre várias queixas que se ouviram por parte de atletas nos últimos dias, a par de problemas nos apartamentos da Aldeia Olímpica, estava a ausência do jogo.

"Estamos muito entusiasmados por estarmos oficialmente a colocar o Pokémon GO nas mãos dos nossos fãs na América Latina, visitantes e atletas olímpicos no Rio", lê-se numa mensagem publicada na página do jogo na rede social Facebook.

O Pokémon GO já foi descarregado mais de 100 milhões de vezes, segundo a consultora Sensor Tower, estabelecendo um recorde para um aplicativo móvel lançado há menos de um mês.

O jogo 'online' foi desenvolvido pela Niantic, empresa que surgiu dentro do Google, mas que se separou dela em 2015, e pela Pokémon Company.

A Nintendo tem um terço das ações da Pokémon Company e conta ainda participações não reveladas na Niantic.

Lusa

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.